domingo, 23 de maio de 2010

Sandoval em Franca

Por Roberto Sandoval : rlavodnas@hotmail.com ou rlavodnas@gmail.com

Introdução

“Villa Franca do Imperador - Nova Villa da Provincia de São Paulo , assentada na margem direita do rio Mugi , e cabeça da septima comarca d'esta provincia. Já no seculo XVIII , a povoação de Franca estava n'um estado florescente ; sua igreja , da invocação de Nossa Senhora da Conceição , era parochia , e seus moradores fabricavão pannos de lã e d'algodão , e chapeos de feltro de lã.
Em 1.836 , a assembleia legislativa provincial conferio a esta povoação o titulo de Villa , augmentando-lhe o districto com parte do de Mugi Mirim , assim que elle se estende do sul ao norte , entre o rio Jaguari e o Grande , perto do lugar onde se aparta da Provincia de Minas Geraes. Contão-lhe nelle 5.000 habitantes , cultivadores e criadores de gado.
Em 1.838 , foi esta Villa o theatro da rebelião fomentada por Anselmo Ferreira de Barcellos , e , em 1.839 , tendo-se formada a septima comarca , foi escolhida para a residencia do juiz de direito”.
(Diccionario Geographico Historico e Descriptivo do Imperio do Brazil de Milliet de Saint Adolphe , edição de 1.845).



Cap. I – A origem dos Sandovais da região de Franca , SP

Do blog “A origem da família Barbosa Sandoval” http://rlavodnas.blogspot.com/ em seu capítulo VIII , “Dos filhos de João Barbosa Lima e sua mulher Thereza Quitéria de Jesus” , foi citado , entre vários irmãos , Joaquim Barbosa Sandoval , nascido por 1745 , casado com Helena Maria de Jesus.
Este casal , Joaquim e Helena , deixou vários filhos , que seguem :

1) Manoel Barbosa Sandoval , nascido por 1775 , foi casado com Brígida Maria de Oliveira , nascida em 1787 , falecida em Franca , SP , em 23/10/1833 e depois de viúvo , foi casado aos 14/08/1834 , em Franca , SP , com Luiza Maria do Espírito Santo , nascida em 1814 , natural de Tamanduá , MG , filha de Luiz Jose Pinheiro e de sua mulher Maria Joaquina do Nascimento.
Talvez este seja o mesmo que faleceu em Araçoiaba , SP , em 7/06/1843 , natural de Patatufo , MG.
Tem sua ascendência comprovada através do registro de casamento de seu filho Lucas em 7/10/1827 , em Franca , SP , com Francelina.
Manoel Barbosa Sandoval e família foram recenseados em Franca , SP , desde os anos de 1812 , que seguem no Capítulo II.

2) Alferes Caetano Barbosa Sandoval , nascido na freguesia de Pitangui por 1780 , falecido em Franca , SP , aos 3/4/1837. Foi casado com Thereza Maria de Jesus , nascida em 1788 em Minas Gerais , falecida em Franca aos 9/8/1842.
Tem sua ascendência comprovada através do casamento de seu filho Justino em 16/10/1828 com Michelina.
Foram recenseados em Franca , SP , desde 1830. Que seguem no Capítulo III

3) Alferes Francisco Barbosa Sandoval , nascido por 1785 , natural do Arraial da Quinta do Sumidouro, Termo de Vila Santa Luzia, MG , falecido aos 26/02/1860 em Ituverava , SP. Foi casado com Ana Felizarda , nascida por 1793. Foram recenseados em Franca , SP , desde os anos de 1812.
Tem a mesma ascendência comprovada através do registro de casamento de seu filho Antonio Barbosa Lima com Cândida Rosa da Silva , aos 19/02/1833 , em Franca , SP. Que seguem no Capítulo IV

4) Cap. Antonio Barbosa Sandoval , nascido por 1785 , natural de Santa Luzia do Rio das Velhas, hoje Fidalgo, distrito de Pedro Leopoldo, MG , falecido em Sorocaba , SP , aos 21/05/1848. Foi casado , aos 15/01/1806 , na Matriz de Santo Antonio , Itatiaia , distrito de Ouro Branco , MG , com Ignez Maria Michelina da Silva , nascida por 1790 , natural de Santo Antonio da Itatiaia, Vila Rica, MG , filha do Capitão Manoel da Costa Silva e de sua mulher Mariana Thereza de Jesus. Neta paterna de João Garcia da Fonseca e de sua mulher Catarina Lopes , neta materna de João Fernandes Guimarães e de sua mulher Isabel Ferreira.
Tem sua ascendência comprovada através de seu próprio casamento.
Cap. Antonio Barbosa Sandoval e família foram recenseados em Franca , SP , desde os anos de 1830. Que seguem no Capítulo V

Observações :

Existiram em Franca , SP , dois irmãos , Desidério Barbosa Sandoval e Maria Madalena da Silveira , que não eram irmãos dos acima citados , eram filhos de outro Francisco Barbosa Sandoval e de Maria Inácia. Sendo que Maria Madalena foi batizada em Franca em 21/04/1829.
Do registro de casamento em Franca deste Desidério Barbosa Sandoval , em 1842 , seu pai já era falecido , portanto , este Francisco Barbosa Sandoval , já falecido em 1842 , não é o Francisco , falecido em 26/02/1860 , citado no item 3 acima , deste mesmo capítulo.

Não se sabe se Joaquim Barbosa Sandoval e Helena Maria de Jesus , deixaram mais filhos que não migraram para Franca , SP. Mas existe uma forte suspeita de que houve mais um filho de nome Silvério Barbosa Sandoval , nascido por 1780 , natural de Sabará , MG , que foi casado , aos 5/6/1807 em Itatiaia , MG , com Ludovina Rosa de Jesus , natural de Itatiaia , MG , filha de Vitorino Jose Soares e de sua mulher Maria Thereza de Jesus , esta suspeita deve-se a um provável erro no registro de casamento.


Cap. II – Manoel Barbosa Sandoval


Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.812/1.813 , caixa 138 :

“Manoel Barboza Sandoval com 36 anos natural das Geraes e sua mulher Brígida Maria de 26 anos e os filhos David com 9 anos ; Lucas com 5 anos e mais duas escravas crianças e informa que plantam para o gasto”.

Do Livro de Assentamentos de Gados de Franca , 1825 - 1836 , vol. 58 Cx 11 :

"17/05/1829 - Manoel Barboza Sandoval - 20 reses - Fazenda do Bebedorzinho".


Do Arq. Pub. do Est. de SP , Censo de Franca do ano de 1.835/36 , fogo 22 :

“Manoel Barboza Sandoval com 64 anos , branco , das Geraes , lavrador , cazado com Luiza de 22 anos , branca e das Geraes e mais doze escravos africanos e crioulos”.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"Óbito de 23 de outubro 1833 : Brígida Maria de Oliveira de 50 anos casada com Manoel Barbosa Sandoval".

Do Arquivo Municipal Capitão Antonio Hipólito Pinheiro , Franca , SP.
9215 Índice de Inventários e Arrolamentos de Franca
Índice de Inventários de Franca , SP
Inventariado / Data / Inventariante / Código

"Brígida Maria de Oliveira / 1836 / Manuel Barbosa Sandoval / 904".

Dos registros eclesiásticos de Franca – Casamentos :

“Manuel Barbosa Sandoval, viúvo por óbito de Brígida Maria de Oliveira e Luiza Maria do Espírito Santo, natural de Tamanduá, Bispado de Mariana, filha de Luís José Pinheiro e de Maria Joaquina do Nascimento.
Test. Thomaz Carlos de Moura e Francisco Barbosa”.


Filhos de Manoel Barbosa Sandoval com Brígida Maria de Oliveira

1) Ana Joaquina de Oliveira , nascida por 1801 cc Felipe Santiago.

2) Maria Joaquina de Oliveira , cc Fabiano Alves de Freitas , filho de Fabiano Alves Pereira.

3) Ledovina Maria de Oliveira , nasc. por 1802 cc Francisco Vieira Fernandes , natural de Itatiaia , MG , filho de Joaquim Viera Fernandes e de Francisca Claudia de Jesus.

4) David Barbosa Sandoval , nasc por 1803 cc , por 1824 , Flavia Domitila da Silva nasc. em 1808 em MG.

5) Lucas Barbosa Sandoval , nasc por 1808 cc , aos 7/10/1827 em Franca , SP , Francelina Maria de Jesus , natural de Pitangui , MG , filha do Alf. Caetano Barbosa Sandoval e de Thereza Maria de Jesus.

6) Antonio Barbosa Sandoval , nasc 13/02/1811 cc , aos 7/7/1830 em Franca , Francisca Umbelina de Freitas.

Dos reg. Eclesiásticos de Franca :

“Aos 03-07-1830 na Capela do Carmo, com dispensa do 2º grau duplicado de consanguinidade em linha transersa, Antonio Barbosa de Oliveira, f.l. Manoel Barbosa Sandoval e Brizida Maria de Oliveira, natural desta freguesia = cc Francisca Umbelina de Freitas, f.l. Fabiano Alves Silveira e Anastacia Maria de Freitas, natural da freg. do Curral de El Rei bispado de Mariana; testemunhas: João Paulo da Silva, viuvo e Inagio Jose Rabello, casado, todos desta freguesia”.


Filhos de Manoel Barbosa Sandoval com Luiza Maria do Espírito Santo

7) Jose Barbosa Sandoval , nasc. em Franca aos 9/5/1835

8) Demetildes Barbosa Sandoval , nasc. Franca aos 23/09/1836 , creio que inventariada em Franca em1885.

9) Bonifácio Barbosa Sandoval , batizado em Franca em 25/12/1837.

10) Francisco Barbosa Sandoval , batizado em Sorocaba , SP , em 1/3/1841 , talvez este seja o mesmo que foi casado com Ana Luiza Moreira.

11) Antonio Barbosa Sandoval , batizado em Sorocaba em 23/10/1842.


Cap. III – Alferes Caetano Barbosa Sandoval

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.812/1.813 , caixa 138 :

“Caetano Barboza , natural das Geraes com 30 anos e sua mulher Thereza Maria de Jesus com 32 anos e filhos : Januario com 10 ; Flavio com 9 ; Justino com 6 ; Francelina com 3 e Anna com 1 ano e mais sete escravos e informa que planta para o gasto”.

Do Livro de Assentamentos de Gados de Franca , 1825 - 1836 , vol. 58 Cx 11 :

14/05/1829 - Caetano Barboza Sandoval - 40 reses - Fazenda Ribeirão Claro.

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.830 , lata 0047A , fogo 57 :

“Caetano Barbosa Sandoval , natural das Geraes com 52 anos , cazado com Thereza Maria , de Minas Geraes , com 52 anos e com os filhos Manoel com 10 e Maria com 14 anos”.

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.831 , caixa 144 :

“Caetano Barboza Sandoval com 40 anos e sua mulher Anna ..... Maria com 48 anos e filho Manoel com 10 anos e que vivem da Lavoura”.
(Neste registro o recenseador enganou-se com o nome da esposa que era Thereza Maria).


Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.835/1836 , fogo 21 :

“Caetano Barboza com 62 anos , branco , natural das Geraes , lavrador , cazado com Maria Thereza com 54 anos , branca , natural das Geraes e filhos : Manoel com 14 anos e mais escravos com nomes Ventura , Matheos , Antonio , Jose e Lucrecia , todos africanos”.


Do Arquivo Municipal Capitão Antonio Hipólito , Franca , SP :

Inventariado : Caetano Barbosa Sandoval em 1837
Inventariante : Teresa Maria



Por Ricardo Alexandre Ferreira - Escravidão , Criminalidade e Cotidiano - Franca , SP :

1830-1888 - Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de História, Direito e Serviço Social da Universidade Estadual Paulista - Campus de Franca como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em História.
Área de concentração: História e Cultura Social. Sob orientação do Prof. Dr. Horacio Gutiérrez. Franca 2003 :


"Em pesquisas empreendidas no Arquivo do Estado de São Paulo foi encontrado o ofício abaixo, remetido ao Presidente da Província pelo Prefeito de Franca em 11 de agosto de 1837: Participo a V.Exa. que hoje se executou a sentença de morte proferida contra os escravos Réus José Crioulo e Antonio Africano, como assassinos de seu Sr. Caetano Barbosa Sandoval. Ato este em que se praticou todas as formalidades da Lei, e do estilo de baixo de toda a ordem, não havendo novidade alguma,sendo pelo Juiz Municipal executor da sentença, convidado todos os Juízes de Paz dos competentes Distritos do Município, para mandarem ao menos um escravo de cada casa, a fim de serem testemunhas oculares de um tão exemplar ato, concorrendo por 64 Cartório do 1ð Ofício Criminal de Franca, Processo n.ð 523, cx. 17, folha 05, 1859, AHMUF".


Caetano Barbosa Sandoval e s/m Thereza Maria de Jesus deixaram os filhos seguintes :

1) Januário Barbosa Sandoval nasc. em Pitangui , MG , em 1802 , foi casado , aos 26/08/1823 em Franca , com Joaquina Rodrigues de Oliveira , nascida em 1806 em Curral del Rei , MG , filha do Cap. Antonio Rodrigues de Oliveira e Ana Luiza Moreira.

Certidão de Casamento

"À margem Januario e Joaquina


Aos vinte e seis dias do mes de Agosto de mil oitocentos e vinte e tres annos nesta Matriz da Franca pelas duas horas da tarde feitas as admoestações canonicas sem resultar impedimento algum , com Provisão do muito Reverendo Joaquim Martins Rodrigues , Vigario da Vara e Igreja desta freguezia em minha presença se receberão em Matrimonio por palavras de presente Januario Barboza Sandoval filho legitimo do Alferes Caetano Barboza Sandoval e de Thereza Maria de Jesus natural da freguezia de Pitangui e Joaquina Rodrigues de Oliveira filha do capitão Antonio Rodrigues de Oliveira e de Anna Luisa Moreira natural da freguezia do Curral de El Rey ambos do Bispado de Marianna e logo lhes conferi as Bençãos Nupciais na forma do Ritual Romano. Forão testemunhas o capitão Antonio Barboza Sandoval , casado , da freguezia de Jacuhy e Francisco Barboza Sandoval , casado , desta freguezia.
O Vigario Antonio Rodrigues Martins".
Livro 1
Folha 46


2) Flavio Barbosa Sandoval , nasc. em 1803 em Pitangui , MG , falecido em Franca em 23/12/1864. Foi casado , aos 26/08/1823 em Franca , SP , com Joana Custódia da Conceição , nascida em 1810 em Curral del Rei , MG , filha do mesmo Cap. Antonio Rodrigues de Oliveira e Ana Luiza Moreira.

Certidão de Casamento

"Aos vinte e seis dias do mes de Agosto de mil oitocentos e vinte e tres annos nesta freguezia da Franca pelas duas horas da tarde , feitas as admoestações canonicas sem resultar impedimento algum com provisão do Reverendo Joaquim Martins Rodrigues , Vigario da vara e igreja desta freguezia em minha presença se receberão em matrimonio por palavras de prezente Flavio Barboza Sandoval filho legitimo do alferes Caetano Barboza Sandoval e de Thereza Maria de Jesus natural da freguezia de Pitangui e Joanna Custodia da Conceição filha legitima do capitão Antonio Rodrigues de Oliveira e de Anna Luisa Moreira natural da freguezia do Curral de El Rei , ambos do Bispado de Marianna e logo lhes conferi as Bençãos Nupciaes. Forão testemunhas o capitão Antonio Barboza Sandoval e Francisco Barboza Sandoval , cazados , aquelle da freguezia de Jacuhy , este desta.
O Coadjutor - Antonio Rodrigues Moreira".
Livro 1
Folha 46 v.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

Óbitos - 23 dezembro 1864 , faleceu de fogo selvagem Flavio Barbosa Sandoval de 60 anos casado com Joana Francisca de Jesus.

Do Arquivo Municipal Capitão Antonio Hipólito , Franca , SP

Inventariado em 1866 : Flavio Barbosa Sandoval


3) Justino Barbosa Sandoval , nascido na freguesia de Pitangui , MG em 1806 , falecido em Franca , SP aos 30/10/1864. Foi casado , aos 16/10/1828 em Franca , SP , com Michelina Celestina da Silva , batizada aos 29/10/1815 em Franca , SP, filha do Cap. Antonio Barbosa Sandoval e de s/m Ignez Maria Michelina da Silva.

Certidão de Casamento

"Aos dezesseis de Outubro de mil oitocentos e vinte e oito annos nesta Matriz de Franca as dez horas do dia feitas as Admoestações Canonicas com dispensa de segundo grau de consanguinidade em linha transversa , concedida pelo Reverendo Vigario da Vara Joaquim Martins Rodrigues em presença do Reverendo Coadjutor Manoel Coelho Vital receberão em Matrimonio por palavras de presente Justino Barboza Sandoval natural da Freguezia de Pitangui , Bispado de Mariana , filho legitimo do Alferes Caetano Barboza Sandoval e de Thereza Maria de Jesus ; e Michelina Celestina da Silva , natural desta freguezia , filha legitima do Capitão Antonio Barboza Sandoval e de Ignez Michelina da Silva e logo lhes conferi as bençãos nupciaes na forma do Ritual Romano.
Testemunhas - Capitão Joaquim de Paula Neiva e Jacinto Antonio Felizardo , cazados todos desta Freguezia.
O Vigario - Joaquim Martins Rodrigues
Joaquim da Rocha Neiva - Jacinto Antonio Felizardo”.
Livro 1 , fl. 6
.
Inventário de Justino Barbosa Sandoval
.
(CAPA)



CARTORIO DO 1º OFÍCIO

 
COMARCA DE FRANCA – ESTADO DE SÃO PAULO – BRASIL



I N V E N T Á R I O



INVENTARIADO -JUSTINO BARBOSA SANDOVAL

 
INVENTARIANTE – MECHELINA SELESTINA DA SILVA


MAÇO J - 22 ANO 1864

CONFERENCIA DE 1916

O ESCRIVÃO - GAUDENCIO LOPES JUNIOR

(FOLHA 01)


1864


JUIZO DE ORFÃOS DA CIDADE DA FRANCA DO IMPERADOR


Vistos em comissão – 1879


Franca, 27 de março de 1879


Ferreira - Alves


INVENTÁRIO Nº 733 – 1º OFICIO


Franca, 12 de novembro de 1906


JUSTINO BARBOSA SANDOVAL -INVENTARIADO


D. MECHELINA SELESTINA DA SILVA –INVENTARIANTE


Ano do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oitocentos e sessenta e quatro nesta Cidade da Franca do Imperador aos dezoito de novembro em meu cartório, autuo a aprovação que ao diante se vê, do que para constar fiz este auto e dou fé. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos Escrivão de Orphãos que o escrevi


(FOLHA 02)


Ilmo Sr. Juiz de Orphãos


Intimei a Viúva para vir prestar juramento Franca 18 de novembro de 1964


Ferreira


Falleceu no Termo desta Cidade, Justino Barbosa Sandoval deixando bens e Orphãos


Vossa Senhoria mandará o que for de Direito


Franca, 18 de novembro de 1864


O Escrivão de Orphãos


Manoel Jorge Gonçalves Campos


(VERSO FOLHA 02)


Certifico que intimei nesta cidade à d. Mechelina Selestina da Silva para no prazo de 24 horas vir a este juízo prestar juramento de Inventariante e dar descrição a que for necessário para o prosseguimento do Inventario, de que ficou bem ciente.


Despacho e dou fé.


Franca, 18 de novembro de 1864


O Escrivão de Orphãos


Manoel Jorge Gonçalves Campos

(FOLHA 03)


Termo de Juramento e Declaração do cabeça do Casal


Aos dezenove de novembro de mil oitocentos e sessenta e quatro nesta Cidade da Franca do Imperador em casas de Juiz de Orphãos Suplente Capitão Manoel Ferreira Candido, onde fui vindo eu escrivão ao diante nomeado, e sendo aí presente a Inventariante Dona Mechelina Selestina da Silva Viúva que ficou por falecimento de Justino Barbosa Sandoval, pelo Juiz lhe foi deferido o juramento aos Santos Evangelhos e no livro deles não foi sua divida e encarregou-lhe e que declarasse o dia em que tinha falecido seu marido, quantos filhos deixou, se tinha feito alguma disposição testamentária, quais os nomes e idades dos filhos, e que disse descrever todos os bens do casal, debaixo das penas de perder o direito que neles tivesse a ocultação de alguns e de pagar o dobro de sua valia salvo das penas da pregressa. E aceito por ela o juramento, declara que seu marido faleceu no dia vinte e nove de outubro e deixou testamento, deixou oito filhos e um neto, cujo os nomes está no título dos herdeiros e que para descrever todos os bens do casal sem ocultar alguns, debaixo das penas consideradas.


(VERSO FOLHA 03)


E para constar fiz este termo e por ela não saber escrever e ler, rogo assinar , José Antonio de Lima como Juiz. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Ferreira José Antonio de Lima




TÍTULOS DOS HERDEIROS


Ela inventariante D. Mechelina Selestina da Silva


FILHOS



1º - Primo Miguel Barbosa Sandoval - casado


2º - Sabina Selestina da Silva – casada com José Garcia Leal


( o marido ausentou-se e não se sabe onde reside)


3º - Maria Selestina da Silva – casada com Belarmino Ferreira Rocha


4º - Guerino Barbosa Sandoval – casado


5º - Belarmina Selestina – casada com Valério Barbosa Sandoval


6º - Luziano – 16 anos


7º - Anna – 11 anos


8º - Carlota – 04 anos


9º - Rosalina – já falecida - casada que foi com, aliás solteira e teve um filho, cujo está ausente.


NETTO


1º - Eduardo – 11 annos – ausente




(FOLHA 04)


JUNTADA


Aos dezenove de novembro de mil oitocentos sessenta e quatro nesta Cidade da Franca do Imperador em meu Cartório junto á estes autos, a cópia do testamento como ao diante se vê, do que fiz este termo. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Manoel Jorge Gonçalves Campos


(FOLHA 05)


O Tenente José Ferreira Mendes Cidadão Brasileiro Tabelião Público do Judicial e Notas e mais anexos nesta Cidade de Franca do Imperador e seu Termo por Carta Vitalícia na forma da Lei


Certifico e parto por fé que vivendo o meu Cartório, nele achei o Testamento com que faleceu Justino Barbosa Sandoval cujo seu teor e pela forma uma mesma seguinte = Jesus Maria José = Em nome da Santíssima Trindade, Padre, Filho e Espírito Santo, em que eu Justino Barbosa Sandoval firmemente vivo um lugar na fé, protesto que viveremos este o meu Testamento e última vontade = Declaro que sou natural de Pitanguí, Província de Minas Gerais, filho legítimo de Caetano Barbosa Sandoval e de sua mulher Dona Theresa Maria de Jesus, ambos falecidos. = Declaro que sou casado à favor da Igreja com Mechelina Selestina da Silva de cujo matrimônio tivemos os filhos seguintes = Primo Miguel Barbosa = Guerino Barbosa Sandoval = Lusiano Barbosa Sandoval = Maria Celestina da Silva = Sabina Celestina da Silva = Belarmina Celestina da Silva = Anna Celestina da Silva = Carlotta Barbosa da Silva = Rosalina Celestina da Silva, esta já falecida = além de outros que morreram bem pequeninos. Declaro que me acho em forma e em perfeito juízo que Deus Nosso Senhor foi servido dar-me e por isso faço e ordeno este meu Testamento segundo os ditames de minha consciência. = Declaro que falecendo nesta Cidade quero ser enterrado no lugar onde são enterrados os irmãos e Cristãos sem pompa, digo os mais fiéis Cristãos sem pompas só mandarão rezar missas de corpo presente, pelos Clérigos que se acharem numa ocasião e acompanhados dos parentes o meu cadáver ao lugar


(VERSO FOLHA 05)


da sepultura e o mais fica ao arbítrio dos Testamenteiros. = Declaro que o meu Testamenteiro mandará dizer mais seis missas para minha alma. = Declaro que os bens que possuo são aqueles que se achar, isso por meu falecimento. = Declaro que nada devo exceto os constituídos com esta minha enfermidade de remédios e cirurgião.; e que também ninguém me deve. = declaro que de minha meação tirado dela atenção e desta cumprido o meu pedido de todo o restante dela digo, o restante instituo herdeira dela a minha referida mulher Mechelina Selestina da Silva, a quem tão bem supra e rogo e queira fazer a obra que deverá ser primeira minha Testamenteira; em segundo lugar o meu filho Primo Miguel Barbosa e em terceiro lugar o meu genro Valério Barbosa Sandoval ,


Cada um pela ordem de nomeação. Este meu Testamento e minha última vontade e disposição para depois de minha morte ,e porem não poder escrever, pedi e roguei a Silvério Claudino da Silva que este por mim escrevesse e a meu rogo assinasse, o qual depois de lido e achar conforme o tinha ditado ele por mim se assina nesta Cidade da Franca do Imperador aos dois dias do mês de outubro de mil oitocentos e sessenta e quatro.


Assino o arrogo do testador, Justino Barbosa Sandoval, Silvério Claudino da Silva = que este fiz e vi assinar a rogo do testador Silvério = segundo que tudo isto assino tão verdadeira cumprida e declaradamente se continha era outrossim, contendo escrito e declarado em dito testamento que assim e por esta forma se achava lavrado como dito e declarado fica depois do que se via e mostrava o Testamento de aprovação cujo o seu teor e pela forma e mesma


(FOLHA 06)


maneira seguinte = Instrumento de auto de aprovação de testamento. Saibam quantos este público instrumento de aprovação de testamento virem que no ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1864 nesta Cidade da Franca do Imperador digo e quatro quadragésimo terceiro da Independência do Império do Brasil aos dois dias do mês de outubro do dito ano nesta cidade de Franca do Imperador Comarca do mesmo nome da Província de São Paulo em casas do Primo Miguel Barbosa onde eu Tabelião onde auto nomeado vim e sendo aí presente Justino Barbosa Sandoval que o reconheço pelo próprio que se acha doente de cama de moléstia crônica em seu perfeito juízo e entendimento segundo o meu parecer e das testemunhas que presentes estavam e positivamente foram convocadas perante os quais por ele testados das suas mãos, as minhas me foi dado este papel fechado dizendo-me que era o seu testamento que lhe afirma a seu rogo e assinava Silvério Claudino da Silva; por ele testador não poder assinar e que queria eu lhe aprovasse cujo papel eu aceitei e achei com efeito ser o Testamento do sobre dito testador Justino Barbosa Sandoval, escrito em duas laudas de papel a primeira cheia e a segunda com nove linhas onde teve princípio esta aprovação a qual vi e não li e não achando em todo ele borrão riscado ou na outra linha escrevi coisa que duvida faça lhe fiz as perguntas da Lei na presença das testemunhas abaixo assinadas a que se procedendo que interessava seu testamento que acharia por bom , firme e valioso, digo testamento e última vontade, que por este revogava outro qualquer que rogava as justiças de sua Majestade lhes dizem em


(VERSO FOLHA 06)


cumprimento de justiça e que se não valesse como testamento queria que valesse como Cédula ou Codecilho e finalmente que era contente e que ficasse fechado cozido e lavado e que não fosse aberto senão depois do seu falecimento o qual poderão ter coisa que dúvida fizesse, rubriquei as duas laudas do papel em que se acha escrito o testamento com o meu apelido que diz (Mendes) e lhe aprovei e houve por aprovado na forma do escrito, e do meu regimento digo de direito e fica fixado, cozido e lavrado e com cinco pontos de vitrôs cor de ouro, e cinco pontos de lacre vermelho por banda e para constar fiz este auto de aprovação e por ele testador não poderá assinar. Assina a rogo dele, José Carvalho da Silva, por lhe pedir e rogar do que dou fé. Sendo testemunhas presentes Antonio Joaquim Rodrigues, José Carvalho da Silva, Manoel Pereira Ribeiro, José Baptista de Pádua Marques e Roduino Antonio Correa, todos varões livres maiores de vinte e três anos que vivem eles das lavouras e ocupações que reconhecemos ser dito testador o próprio do que dou fé; e assinarão depois de lhes ser lido por mim Tabelião este auto de aprovação. Eu José Ferreira Mendes Tabelião que o escrevi e assino em público e raso do que uso. Em testemunho da verdade = Esta assino em público = José Ferreira Mendes = A rogo do Testador Justino Barbosa Sandoval = José Carvalho da Silva = Antonio Joaquim Rodrigues = Manoel Pereira Ribeiro = José Baptista de Pádua Marques = Roduino Antonio Correa = segundo que tudo isto assim tão verdadeira cumprida e declaradamente se continha era outrossim contendo escrito e declarado em dita aprovação que assine e por esta forma se achava casão como dito e declarado fica depois do que se via e mostrava o


(FOLHA 07)


termo de abertura e apresentação. Aos 29/10/1864 nesta cidade da Franca do Imperador em casa do Meritíssimo Juiz Municipal de Orphãos primeiro Suplente Capitão Manoel Ferreira Candido onde eu Escrivão de seu cargo adiante nomeado vim aí por Primo Miguel Barbosa Sandoval foi apresentado este Testamento que se achava fixado, cozido e lavrado na forma em que foi feito do que dou fé. E para constar lavro este termo que assina o Juiz com o apresentante do que dou fé. Eu José Ferreira Mendes. Escrivão que escrevi = Ferreira = Primo Miguel Barbosa Sandoval = De conclusão = Aos 07/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador em meu Cartório faço este Testamento concluso ao Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos, primeiro Suplente Capitão Manoel Ferreira Candido para o julgar como lhe parecer. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes Escrivão que o escrevi = Concluso = Seja notificado a primeira testemunha para em termo breve vir assinar termo de citação do presente testamento ou desistir querendo. Franca 07/11/1864. Ferreira = De data = no mesmo dia e lugar supra mês e ano pelo Meritíssimo Juiz municipal e Orphãos primeiro Suplente Capitão Manuel Ferreira Candido me foi dado este testamento com seu despacho supra. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes Escrivão que o escrevi = Certidão = dou fé que notifique a primeira testemunha D. Mechelina Selestina da Silva para vir aceitar o presente Testamento, ou desistir do que dou fé, digo do que ficou ciente o referido é verdade e dou fé. Franca 07/11/1864


(VERSO FOLHA 07)


= O Escrivão = José Ferreira Mendes = Nada mais constava em dita Certidão e segue o termo de apresentação do teor seguinte = Termo de Aceitação que faz a primeira Testemunha Mechelina Selestina da Silva como abaixo se declara = Aos 07/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador em casa de dona Mechelina Selestina da Silva onde foi vindo o Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos Primeiro Suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido, onde eu Escrivão de seu cargo ao diante nomeado vim e digo Cândido adjunto comigo Escrivão de seu cargo ao diante nomeado e sendo aí pelo dito Juiz digo aí presente a primeira Testemunha Mechelina Selestina da Silva por ela foi dito ao dito Juiz que aceitava o presente Testamento que se obrigava a cumprir as disposições do mesmo teor onde chegassem os bens da herança que em tudo se sujeitava a Lei dos Testamenteiros. E como assim o disse declarou e se obrigou por ela testamenteira D. Mechelina Selestina da Silva não saber ler nem escrever assina a rogo dela o Tenente Coronel Antônio Barbosa Lima como Juiz de que tudo dou fé. Eu José Ferreira Mendes, Escrivão que o escrevi = Ferreira = Antônio Barbosa Lima = Segue o termo de Conclusão do teor seguinte = De conclusão = Aos 07/11/1864 na cidade Franca do Imperado em meu Cartório faço este Testamento concluso ao Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos Primeiro Suplente = Capitão Manoel Ferreira Cândido para o julgar como lhe parecer.


E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes, Escrivão que o escrevi = Despacho = Concluso = Despacho

(FOLHA 08)


= Haja vista ao Coletor das Rendas Públicas para cumprir na forma da lei. Franca 12/11/1864 = Ferreira = De dacta = E logo no mesmo dia, no mês e ano e lugar pelo Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos Primeiro Suplente = Capitão Manoel Ferreira Cândido me foi dado este Testamento com o seu despacho supra. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes, Escrivão que o escrevi = Dê vista ao Coletor das Rendas Públicas = Aos 04/11/1864 em meu Cartório faço estes autos com vista ao Coletor de Rendas Públicas Capitão Simão Ferreira de Meneses para o cumpri na forma da lei. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes, Escrivão que o escrevi = Vista ao Coletor = Visto = Meneses Júnior = De dacta = Aos 15/11/1864 nesta cidade de Franca do Imperador em meu Cartório por parte do Coletor das Rendas Pública me foi dado este Testamento com seu visto supra. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes



(VERSO FOLHA 08)

Escrivão que o escrevi = Seguem o guia e selo do teor seguinte = Contém este Testamento quatro folhas, e uma que se há de escrever, cinco que devem pagar o selo = Franca 16/11/1864 = o Escrivão = Mendes = selo = número 1 = Réis um mil. Pagou um mil réis = Franca 17/11/1864 = Meneses Júnior = Oliveira = Dê conclusão = Aos 18/11/1864 nesta cidade de Franca do Imperador em meu Cartório faço este Testamento com vista digo concluso ao Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos Primeiro Suplente = Capitão Manoel Ferreira Cândido para o julgar como lhe parecer. E para constar faço este termo. Eu José Ferreira Mendes Escrivão que o escrevi = Concluso = Despacho = Cumpra-se e Registra-se e pague a Testamenteira as custas em que o condeno. Franca 18/11/1864 = Ferreira = Segue o termo de Publicação do teor seguinte = Dê publicação = Aos 18/11/1864 nesta cidade de Franca do Imperador em casas do Meritíssimo Juiz Municipal e Orphãos Primeiro Suplente = Capitão Manoel Ferreira Cândido me foi dado este Testamento e com um despacho supra = E para constar faço este termo = Eu José Ferreira Mendes Escrivão que o escrevi = Certidão = Dou fé intima a sentença a Testamenteira D. Mechelina Selestina da Silva do que ficou ciente. O referido é visto e dou fé. Franca 19/11/1864 = segue a conta das custas do teor seguinte = Do Escrivão = Termo de Abertura e aceitação = um mil réis = ditos de concisão . Vista e dactas = oito = mil e seiscentos réis = duas citações = dois mil réis = guia duzentos réis = selo um mil réis = registro de nove laudas = cinco mil e quatrocentos réis = soma onze mil e quatrocentos réis = do Juiz = abertura e cumpra-se um mil réis = conta = um mil réis = soma treze mil e trezentos réis = Concluso = e nada mais constava em dito Testamento e mais termos dos mesmos selos e custas que tudo assim se achava lavrado em tudo na verdade sem duvida e nem coisa que o faça pelo ver, ler, correr, conferir e consertar com o próprio original o qual me reporto de dou fé. Nesta cidade de Franca do Imperador aos 19/11/1864. Eu José Ferreira Mendes Escrivão que o escrevi e assinei.


José Ferreira Mendes conferida por mim Escrivão Mendes


Deve pagar selo de quatro folhas que contém esta certidão ora supra. O Escrivão Mendes.


(FOLHA 09)


CONCLUSO


Aos 23/11/1864 nesta cidade de Franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphãos Suplente Capitão Manoel Ferreira Candido, de que fiz este termo. Eu, Manoel Jorge Gonçalves Campos escrevi.


CONCLUSO


Intimei os interessados e o Curador Geral para que marca o dia 24 as 10 horas da manhã para levarem um avaliador.


Franca, 23 de novembro de 1864.


Ferreira


PUBLICAÇÃO

 
Aos 23/11/1864, nesta cidade de Franca do Imperador em meu Cartório faço público o despacho supra; de que fiz este termo. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos, escrevi.

 
Certifico que intime nesta cidade a inventariante Mechelina Selestina da Silva, Miguel Barbosa Sandoval, Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva, a Luziano, e ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira e ao Coletor Interino Candido Ferreira de Menezes, o despacho supra de que ficara.



(VERSO FOLHA 09)


Cientes, e dou fé. Franca, 23/11/1864


Manoel Jorge Gonçalves Campos


Meritíssimo Ilustríssimo Juiz de Orphãos




Não foi intimado o Senhor Belarmino Ferreira Rocha por não se achar nesta cidade e não haver tempo para o procurar. Devem ir portanto, os autos conclusos para .V. S. mandar o que for de justiça.


Franca,24/11/1864


Manoel Jorge Gonçalves Campos


CONCLUSOS

Aos 24/11/1864 nesta cidade de Franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphãos Suplente Capitão Manoel Ferreira Candido; de que fiz este termo. Eu, Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


(FOLHA 10)


CONCLUSOS


Resta a informação do Escrivão marca o dia 25 do corrente as 9 horas da manhã para os que eram notificados com a sentença do Coletor e o Curador Geral


Franca, 24/11/1864


Ferreira


PUBLICAÇÃO


Aos 24/11/1864 nesta Cidade de Franca do Imperador no meu Cartório faço público o despacho supra; de que fiz este termo . Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Certifico que intimei a Viúva Inventariante D. Mechelina Selestina da Silva, Primo Miguel Barbosa, Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva, Luziano, à Belarmino Fernandes Rocha ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira ao Coletor Interino


(VERSO FOLHA 10)


Cândido Ferreira de Menezes o conteúdo do despacho retro de que ficaram cientes.


Despacho e dou fé. Franca, 24/11/1864


Manoel Jorge Gonçalves Campos


(FOLHA 11)




LOUVAÇÃO


Aos 25/11/1864 nesta Cidade de Franca do Imperador em casas do Juiz de Orphãos, primeiro Suplente Capitão Manuel Ferreira Cândido onde fui vindo eu Escrivão de seu cargo ao diante nomeado, sendo aí presentes o herdeiro Primo Miguel Barbosa Sandoval, e o Curador Geral Guido Eugênio Nogueira, pelo herdeiro foi dito que louvara-se em o Tenente Coronel Antonio Barbosa Lima, e Antonio Ferreira Lopes, e pelo Curador Geral foi louvado em Antonio Gonçalves de Freitas e Francisco Gomes Gaia para a fim de avaliarem os bens deixados por Justino Barbosa Sandoval; pelos herdeiros foi escolhido o tenente Coronel Antonio Barbosa Lima, e pelo Curador geral foi escolhido o Tenente Coronel Antonio Barbosa Lima, e pelo herdeiro foi escolhido à Francisco Gomes Gaia. E para constar fiz este termo que assinam. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos e escrevi.


Assinado Ferreira


Primo Miguel Barbosa


Guido Eugênio Nogueira


(VERSO FOLHA 11)


CONCLUSOS

Certifico que intimei ao Tenente Coronel Antônio Barbosa Lima, a Francisco Gomes Gaia para comparecer neste juizo as 11 horas do dia de hoje e para comparecer na casa da Inventariante retro, segundo a determinação do mesmo juiz do que ficaram cientes. Despacho e dou fé. Franca 25/11/1864


O Escrivão de Orphãos – Miguel Gonçalves Campos


JURAMENTO AOS LOUVADOS


Aos 25/11/1864 nesta cidade da Franca do Imperador na casa do Juiz de Orphãos, primeiro Suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido, fui vindo Eu Escrivão de seu cargo adiante nomeado aí sendo juramento aos Louvados Tenente Coronel Antonio Barbosa Lima e Francisco Gomes Gaia, o Juiz lhes oficiou juramentos aos Santos Evangelhos em um livro deles em que fazerão com suas mãos direita, com a forma devida e lhes encarregou que bem e na verdade.


(FOLHA 12)


Segundo entendessem em suas consciências, avaliassem os bens deixados pelo finado Justino Barbosa Sandoval. E sendo por eles aceito o juramento assim prometeram cumprir. Aqui fiz este termo que assinarão. Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos o escrevi.


Ferreira


Antonio Barbosa Lima


Francisco Gomes Gaia

 
ASSENTADA

Aos 25/11/1864 nesta cidade da Franca do Imperador em casa da viuva Mechelina Selestina da Silva, onde fui vindo o Juiz de Orphãos primeiro Suplente Capitão Manoel Francisco Candido comigo Escrivão ao diante nomeado e os louvados nomeados, aí procedo a louvação, a avaliação dos bens pela forma que segue.


MÓVEIS


Declarou a Inventariante D. Mechelina Selestina da Silva ter o monte inventariado


(VERSO FOLHA 12)


possuídos de um Oratório o qual sendo visto pelos avaliadores, avaliaram por seis mil réis com que a margem sai. – 6.000


Declarou possuir uma mesa com duas gavetas a qual fica avaliada por oito mil réis com que a margem sai. – 8.000


Uma mesa ordinária, trez mil réis. – 3.000


Um carro vinte mil réis. –20.000


Uma cômoda, doze mil réis. – 12.000


Uma caixa com pés quatro mil réis com que a margem sai. – 4.000


Um catre ordinário dois mil réis. – 2.000


Uma caixa grande com pés, cinco mil réis com que a margem sai. – 5.000


Um banco mil réis que se sai. – 1.000


Um catre trez mil réis que sai. - .3.000


Três rodas douradas a quatro mil réis. Doze mil réis com que se sai.- 12.000


Um escavocador mil réis que sai. 1.000


COBRES




Uma bacia de cobre com dez a sete libras a mil e duzentos réis, vinte mil, e quatrocentos réis com que se sai. – 20.400.


Uma bacia menor com dez libras e meia doze mil e seiscentos réis. – 12.600


Um taxo remendado dez mil setecentos e cinquenta réis que sai. – 10750.


Um taxo menor com nove libras e meia a mil réis, nove mil e quinhentos réis com que sai. – 9.500


Um taxo pequeno quatro mil e quatrocentos réis que sai. – 4.400.




(FOLHA 13)




FERROS


Uma bigorna de funileiro, dois mil reis com que a margem sai. – 2.000.


Uma alavanca seis mil réis que sai. – 6.000.


Uma foice dois mil réis que a margem sai. – 2.000


Um machado dois mil réis que sai. – 2.000


Uma balança com vinte sete libras de ferro, doze mil réis que sai. – 12.000


Uma torquês e martelo mil réis. – 1000.




ARREIOS


Um serigote arreado e freio. dezesseis mil réis que a margem sai. 16.000.


SEMOVENTES


Um boi de carro, trinta mil réis que sai. 30.000.


Uma vaca parida, dezoito mil réis que sai. 18.000.

 
OURO E PRATA


Um par de fivelas de prata para suspensóis seis mil réis que sai. 6.000.


Dezenove taças de ouro velho, a dois mil seiscentos e quarenta e nove mil e quatrocentos réis que sai. 2.649.


ESCRAVOS


Um Escravo de nome Faustino, idade 30 anos, um conto e duzentos mil réis com que se costuma saia. 1:200.000


Uma Escrava de nome Justina de 30 anos de idade, um conto de réis que sai.1:000


Uma Escrava de nome Claudina de 18 anos de idade, um conto e duzentos mil réis. 1:200.000.


Uma Escrava de nome Gertrudes de idade de 10 anos, um conto de réis. 1:000.


(VERSO FOLHA 13)


Uma Escrava de nome Albina de idade de 10 anos, oitocentos mil réis que sai. 800.000.


Uma Escrava de nome Maria de idade de 6 anos, setecentos mil réis. 700.000.


Uma Escrava de nome Florência, idade 4 anos, seiscentos mil réis com que sai. 600.000.


Uma Escravo de nome José de 1 ano e meio de idade, quatrocentos mil réis com o que a margem sai. 400.000


Uma Escrava de nome Felícia de 1 ano e meio de idade trezentos e cinquenta mil réis que sai. 350.000.




RAÍZ


Um terreno em cima na chácara da calçada de um alqueire com feixes de valo, oitocentos mil réis que sai. 800.000.


DÍVIDAS PASSIVAS




Declarada inventariante se o casal é devedor a seu filho Primo Miguel Barbosa Sandoval, que este pagou pelo casal a diversos negociantes, a quantia de cento e noventa e nove mil quinhentos e cinquenta réis, com que sai. 99.550.


Declarou mais a mesma inventariante, que este monte é devedor a Valério Barbosa Sandoval a quantia de cinquenta e sei mil setecentos e noventa réis que sai. 56.790.




Termo de juramento ao herdeiro Primo Miguel Barbosa Sandoval para cumprir seu dote


(FOLHA 14)

Aos vinte e um dias de novembro de mil oitocentos sessenta e quatro, nesta cidade da Franca do Imperador em casa do Juiz de Orphãos, Capitão Manoel Ferreira Cândido, onde fui vindo Eu Escrivão a diante nomeado sendo aí presente o co-herdeiro Primo Miguel Barbosa Sandoval, o Juiz lhe deferiu o juramento dos Santos Evangelhos em livro dele em que por sua mãe desista dos bens do qual lhes encarregou de declarar e conferir os bens que a título de dote recebeu, a fim de serem avaliados. E, sendo por ele aceito o juramento assim prometo cumprir. E para constar fiz termo que assino. Eu, Manoel Jorge Gonçalves, cumprasse e o escrevi.


Ferreira


Primo Miguel Barbosa


E logo por ele foram dados a carregação. Como que tem nestes ao seu dote, os bens seguintes:


Uma besta que recebeu na quantia de dezasseis mil réis com que a margem se sai sair.




Juramento ao herdeiro Valério Barbosa Sandoval para conferir seu dote


Aos 25/11/1864 nesta Cidade da




(VERSO FOLHA 14)




Franca do Imperador em casas do Juiz de Orphãos, Capitão Manoel Ferreira Cândido, onde fui vindo Eu Escrivão de seu cargo ao diante . aí sendo presentes o co-herdeiro Valério Barbosa Sandoval, pelo Juiz foi deferido o juramento dos Santos Evangelhos debaixo do qual lhes encarregou declara o que recebeu o título de dote o juramento prometeu cumprir. E para constar fiz este termo que assinam. Eu, Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Ferreira


Valério Barbosa Sandoval




E logo por ele foi declarado que havia recebido um dote a quantia de duzentos mil réis em dinheiro com que sai. Declarou mais que se acho um cavalo arreado, na quantia de sessenta mil réis. Declarou finalmente que se acha duas cetavas de ouro na quantia de cinco mil e duzentos réis que sai.

Valério Barbosa Sandoval


Juramento ao co-herdeiro Quirino Barbosa Sandoval para conferir seu dote.


(FOLHA 15)


Aos 25/11/1864, nesta cidade Franca do Imperado em casa do Juiz de Orphãos, Manoel Ferreira Cândido, onde fui vindo Eu Escrivão de seu cargo ao diante aí sendo presentes o co-herdeiro Quirino Barbosa Sandoval, pelo Juiz foi deferido o juramento dos Santos Evangelhos debaixo do qual lhes encarregou que declarasse o que havia recebido de seu dote, para ser avaliado. E sendo por ele aceito o juramento assim prometo cumprir. E para constar fiz este termo. Eu, Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Ferreira


Quirino Barbosa Sandoval


E logo por ele foi dito que se ache em dotes um poldro bravo na quantia de dez mil réis com que sai.

 
(VERSO FOLHA 15)


Juramento ao herdeiro Belarmino Fernandes Rocha para conferir seu dote.


Aos 25/11/1864, nesta cidade Franca do Imperado em casa do Juiz de Orphãos, Capitão Manoel Ferreira Cândido, onde fui vindo Eu, Escrivão ao diante sendo aí presente o co-herdeiro Belarmino Fernandes Rocha, pelo Juiz lhe foi deferido o juramento aos Santos Evangelhos declaro em livro deles debaixo do qual lhe encarregou que declarasse o que se acha em dote para ser avaliado; E sendo por ele aceito o juramento, assim prometo cumprir. E para constar fiz este termo que assino, Eu, Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


Ferreira


Belarmino Fernandes Rocha




E logo por este foi declarado que se acha em dotes um cavalo arreado com silhão na quantia de quarenta mil réis. Uma bezerra na quantia de dez mil réis.


Uma morada de casas na quantia de cento e sessenta mil réis que sai.


Uma parte de um cordão de cinco oitavas de ouro na quantia de treze mil réis que sai.

 
DECLARAÇÃO DO CABEÇA DO CASAL


E logo pela viúva Mechelina Selestina da Silva, foi declarado que havia doado


(FOLHA 16)


Descrever todos os bens do casal da melhor forma que em sua consciência entendia, e que protestara dar até a partilha alguns que ficassem por esquecimento e fazia essa declaração debaixo do juramento prestado. E para constar fiz este termo que assino e arrogo do inventariante Valério Barbosa Sandoval com o Juiz. Eu, Manuel Jorge Gonçalves compareci e assinei.


Ferreira


Francisco Gomes Gaia


DECLARAÇÃO DOS LOUVADOS


E logo pelos louvados foi declarado que haviam avaliados todos os bens que lhes foram apresentados segundo suas consciências entendiam, e que faria estas declaração debaixo de juramento já prestado. E para constar e fiz este termo que assino. Eu, Manuel Jorge Gonçalves Campos cumpri e escrevi.


Ferreira


Antonio Barbosa Lima


CONCLUSO




Aos 26/11/1864, nesta cidade de Franca do Imperado em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphãos Capitão Manuel Ferreira Candido de que fiz este termo. Eu, Manuel Jorge Gonçalves Campos o escrevi.


Intimei os interessados e o Curador Geral para a Louvação da Partilha e marco o dia de hoje as 10 horas para o seu fim. Franca 26/11/1864.


Ferreira


PUBLICAÇÃO


Aos 26/11/1864 nesta cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório faço Público o despacho supra de que fiz este termo. Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi.




Certifico que intimei a Candido Ferreira de Menezes Coletor interino a inventariante D. Mechelina Selestina da Silva, aos herdeiros Primo Miguel Barbosa Sandoval, Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva, Luziana, Belarmino Fernandes Rocha, ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira o conteúdo do despacho de que ficaram cientes. Do que dou fé Franca 26/11/1864


Manuel J. G. Campos




(FOLHA 17)


Ilmo. Sr. Juiz de Orphãos


Vê-se no termo de declaração da viúva cabeça do casal, que seu netto Eduardo, orphão está ausente. Que seu genro José Garcia Leal ausentou-se e não sabe onde reside; sua mulher está presente. Sendo portanto os conclusos a fim de V. Senhoria mandar o que for de justiça. Franca 26/11/1864


O Escrivão de Orphãos


Manuel J. G. Campos


CONCLUSÃO


Aos 26/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador, em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphão Manuel Ferreira Candido de fiz este termo. Eu Manuel J. G. Campos o escrevi


(VERSO FOLHA 17)


CONCLUSOS


Em vista da declaração do inventariante nomeio para Curador dos Ausentes a Miguel Gomes de Oliveira, o qual prestara juramento, e seja notificado para Louvação da Partilha. Franca 26/11/1864


Ferreira


PUBLICAÇÃO


Aos 26/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador, em meu Cartório faço público o despacho supra de que fiz este termo. Eu Manuel J. G. Campos o escrevi


Certifico que intimei a Miguel Gomes de Oliveira para ir prestar juramento ao Curador dos Ausente, e assistir a Louvação da Partilha segundo o despacho retro de que ficou ciente e dou fé.


Franca 26/11/1864


Manuel J. G. Campos


(FOLHA 18)


JURAMENTO AO CURADOR


Aos 26/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador, em casa do Juiz de Orphãos primeiro suplente Capitão Manuel Ferreira Candido onde foi vindo Eu escrivão ao diante nomeado, e sendo aí presente Miguel Gomes de Oliveira o mesmo Juiz lhe deferiu o juramento dos Santos Evangelhos em um livro deles em que pus sua mão direita, debaixo do qual lhe encarregou que requeressem tudo quanto o benefício dos ausentes, Orphão Eduardo e José Garcia Leal e assim a eles servisse de curador para fazer por eles tanto quanto fora seus benefícios, debaixo de responsabilidade onde aceitei por ele o dito juramento assim prometo cumprir. Do que para constar mandou o Juiz marcar este termo que assinaram. Eu Manuel J. G. Campos escrivão de orphãos que o escrevi


Ferreira


Miguel Gomes de Oliveira




(VERSO FOLHA 18)


AUTO DA ALINSSERÇÃO DA PARTILHA


Aos 26/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador, em casas do Juiz de orphãos suplente Capitão Manuel Ferreira Candido onde fui vindo Eu escrivão de seu cargo a diante nomeado aí sendo presentes a viúva inventariante Dona Mechelina Selestina da Silva, e os herdeiros Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva aí revelia do Curador Geral Guido Eugênio Nogueira e Coletor, pelo dito Juiz que ordenado assim escrivão que lesou a carregação dos bens e suas avaliações e dívidas do que satisfazendo aí sua determinação.


(FOLHA 19)




Disse ele aos herdeiros e interessados que se tivessem alguma coisa alegando ao requerer o fizessem nessa ocasião prender deferido como fosse de Justiça pela inventariante requerer que para seu pagamento quer tanto da meação como da terça bens seguinte = os escravos Faustino, Justina, Claudiana, Gertrudes, e que se disser mais um Oratório, uma mesa grande, duas caixas de pés, dois catres, duas rodas, um banco , um escravador, uma bacia grande, três feixos, um machado, um boi de carro, uma vaca parida, e o mais os Escravos Gessi e Felícia. O Herdeiro Quirino Barbosa Sandoval foi requerido que lhe se dessem para seu pagamento ao Escrava Maria. Pela Herdeira Sabina Selestina foi requerido que se desse uma comoda, uma mesa pequena, uma bacia de cobre menor, uma alavanca e os arreios velhos, e o resto que seja na reposição do herdeiro Valério. O Herdeiro Valério requereu que se lhe desse seu pagamento isto é reunidos os três na Escrava Maria, uma balança, uma roda na Escrava Florencia e parte no pasto, e assim a que sobrou das legítimas deles, dar-se-lhe que na dívida que o monte lhe deu.


Assim mais que as custas ele paga, ficando separado para se os lucros, e que estes sejam os que já pediu.


(VERSO FOLHA 19)


Nada mais sendo requerido, esse acordo quis que lhe fizesse estes autos conclusos. E para constar fiz este termo que assina o Juiz pela inventariante que assina Antonio Gonçalves de Freitas, Eu Manuel J. G. Campos o escrevi


Ferreira


Antonio Gonçalves de Freitas


Quirino Barbosa Sandoval


Valério Barbosa Sandoval


A rogo da herdeira Sabina Selestina da Silva


Ignacio Barbosa Lima



JUNTADA


Aos 26/11/1864 nesta cidade Franca do Imperador, em meu Cartório, junto a estes autos a petição e documentos que adiante se vê; do que fiz este termo. Eu, Manuel J. G. Campos o escrevi


(FOLHA 20)


Ilmo. Sr. Juiz de Orphãos




Diz Valério Barbosa Sandoval que pelos documentos juntos mostra ter comprado de Primo Miguel Barbosa Sandoval, as heranças que lhe tocar, pudesse no Inventario de seu finado Pai Justino Barbosa Sandoval; portanto o suplente requer a V. Senhoria seja servido mandar que se junte este aos autos, para nas partilhas em um só pagamento, separasse ou lhe dar legítima e como cessionário portanto


Junte-se aos autos Para V. Sª


Franca 26/11/18864 Deferimento


Ferreira E. R. J.

 
Valério Barbosa Sandoval


(FOLHA 21)


Aj. duzentos réis. Franca 26/11/1864.




Digo eu abaixo assinado, o Primo Miguel Barbosa que ter careação ou constrangimento algum, onde como de fato vendido tenho o Sr, Valério Barbosa Sandoval a herança que me couber no Inventário de meu finado Pai Justino Barbosa Sandoval pela quantia de trezentos mil réis, que ao fazer deste recebi; ficando o comprador abrigado a pagar a ciza, e eu a fazer este onde sempre firme e valiosa faço, e transfiro na pessoa do comprador tendo a posse pois, e domínio para que ele possa gozar como sua que fica sendo de hora em diante: e por ser verdade mande passar o presente em que me assino com as testemunhas presentes.


Franca, 26/11/1864. Primo Miguel Barbosa


Testemunha presente – Quirino Barbosa Sandoval


Foi presente – Belarmino Ferreira Rocha ao que este fiz, ouvi e assinaram. Ignacio Barbosa Lima




(FOLHA 22)


Declaro eu abaixo assignado que sem constrangimento vendi como de fato vendido tenho ao Sr, Valério Barbosa Sandoval, o que tocar possa em legitima no inventário, de meu finado sogro Justino Barbosa Sandoval, pela quantia de cento e sessenta mil réis que ao passar deste recebi, cuja herança que me tocar diz contando o dote, isto é o meu dote; seu liquido ele comprador arrecadará e pagará a ciza. Obrigo-me a fazer esta venda firme e valiosa e por ser verdade mandei pagar o presente que assino com as testemunhas abaixo.


Franca, 26/11/1864


Belarmino ferreira Rocha


Ao Juiz Antonio Joaquim Rodrigues que este fiz e vi assinar, Jeremias Castor da Silva.




(VERSO FOLHA 22)


CONCLUSÃO


Aos 26/11/1864, nesta cidade franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphãos Suplente Capitão Manuel Ferreira Candido; do que fiz este termo. Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


CONCLUSOS


Haja visto os interessados e ao Curador Geral e Coletor das rendas Públicas . Franca, 26/11/1864.


Ferreira


PUBLICAÇÃO


Aos 26/11/1864, nesta Cidade da Franca do Imperador em meu Cartório faço Público o despacho supra, do que para constar fiz este termo. Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi.


(FOLHA 23)

Certifico que intimei a inventariante Mechelina Selestina da Silva aos herdeiros Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva, Lusiano, e ao Curador Geral, Guido Eugênio Nogueira, e eu Miguel Gomes de Oliveira Curador dos Ausentes e bens assim ao Coletor Interino Cândido Ferreira de Menezes, o conteúdo do Despacho retro, de que ficaram cientes; Dou fé. Franca, 26/11/1864. Assino Manoel J. G. Campos.


DE VISTA


Aos 26/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos com vista ao herdeiro Valério Barbosa Sandoval de que fiz este termo.


Eu, Manoel J . G. Campos , o escrevi.


Com vista ao herdeiro Valério.


ILMO SR. JUIZ DE ORPHÃOS


Por um só respondido e por todas assinado concordamos com a descrição e avaliação dos bens, requeremos portanto as partilhas com abreviação e igualdade de Direito.


Franca, 28/11/1864


Por mim e minha cunhada Sabina Selestina da Silva e Valério Barbosa Sandoval.


(VERSO FOLHAS 23)


Lusiano Barbosa Sandoval

 
DATA

Aos 26/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório foram-me entregues estes autos, de que para constar fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


ILMO SR. JUIZ DE ORPHÃOS


Com quanto tivesse requerido no auto da limpação da Partilha para se me dar a Escrava de nome Maria; agora porém estando de novo resolvido requeiro a V. Senhoria desse-me a Escrava Albina e o resto aos orphãos, Lusiano Barbosa e a Eduardo Barbosa quanto a descrição e avaliação em tudo concordo.


Quirino Barbosa Sandoval


PAUTA


Aos 26/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador no meu Cartório foram- me entregues estes autos; do que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(FOLHA 24)


DÊ VISTA


E logo no mesmo dia mez e ano retro fiz estes autos como esta a Inventariante D. Mechelina Selestina da Silva do que fiz este termo.


Eu, Manuel J. G. Campos, o escrevi


V. a Inventariante.


ILMO SR. JUIZ DE ORPHÃOS


Concordo com a descrição e a valiação do herdeiro digo dos Bens. Requeiro que se diz conte na legítima de minha filha Sabina Selestina da Silva que desconte dois cavalos e uma besta tudo no valor de 70.000 réis duas oitavas de ouro velho por 5.200 réis. Requeiro mais a partilha com igualdade em tudo.


Franca 26/11/18864. A rogo de minha mãe Mechilina Selestina da Silva.


Quirino Barbosa Sandoval

 
DATA


Aos 26/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório foram-me entregues estes autos, com a resposta acima; e para constar fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(VERSO FOLHA 24)

 
VISTAS AO CURADOR DOS AUSENTES


Aos 28/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos com vistas ao Curador dos Ausentes, Miguel Gomes de Oliveira; de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


VISTO AO CURADOR TUTELAR


Visto nada tenho a dizer.


Franca 28/11/1864


Miguel Gomes de Oliveira

 
DATA


E logo no mesmo dia mez e ano supra declarado, me foram entregues estes autos com a resposta acima, de que fiz este termo.


Eu Manuel J. G. Campos, o escrevi


DÊ VISTA


E logo no mesmo dia mez e ano supra fiz estes autos com vista ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira, do que fiz este termo.


Eu Manuel J. G. Campos o escrevi.


(FOLHAS 25)


VISTAS AO CURADOR GERAL


Visto todos concordarem, não tenho razão alguma a opor-me.


V. S. mandará o que justo for. O Curador Geral.


Guido Eugênio Nogueira.


DATA


Aos 28/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório me foram entregues estes autos como resposta supra de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


DÊ VISTA


E logo no mesmo dia, mez e ano supra, em meu Cartório faço estes autos com vista ao Coletor interino Candido Ferreira de Menezes Gomes e que fiz este termo.


Eu Manuel J. G. Campos, o escrevi


VISTAS AO COLETOR


Visto, só requeiro que em partilhas se dá pagamento a Fazenda Pública na Escrava Gertrudes.


Franca, 29/11/1964


O Coletor Simão Ferreira de Menezes.


(VERSO FOLHA 25)


DATA


Aos 30/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório foram-me entregues estes autos com a resposta retro, e que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


CONCLUSÃO


Procedam as partilhas com toda a igualdade e dê visto aos bens e mandam o que for possível sobre o pedido dos interessados.


Franca, 30/11/1864.


Ferreira



PUBLICAÇÃO


Aos 30/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório, faço público o despacho retro e que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(FOLHA 26)


Certifico que intimei D. Mechelina Selestina da Silva, seus herdeiro Quirino Barbosa Sandoval, Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva. Lusiano, o Curador Geral Guido Eugênio Nogueira a Miguel Gomes de Oliveira e ao Coletor Simão Ferreira de Menezes, o conteúdo do despacho retro, de que ficarão cientes. Despacho e dou fé.


Franca, 01/12/1864


O Juiz de Orphãos


Manuel J. G. Campos


JUNTADA


Ao 01/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório junto à estes autos, a petição que se vê, de que fiz e o termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(FOLHA 27)


ILMO. SR. JUIZ DE ORPHÃOS


Vistas –Franca


01 de dezembro de 1864


Diz Quirino Barbosa Sandoval, que estando procedendo o Inventário dos Bens de seu finado Pai Justino Barbosa Sandoval o suplicante requereu que se desse a seu pagamento a Escrava Albina e o resto aos Orphãos; a intenção por um dos suplicantes foi que se desse em seu pagamento a parte que pudesse caber ao herdeiro Eduardo e o suplicante repôs em dinheiro ao Juiz de Orphãos para esta quantia entrar para o cofre e assim mais rendimento dá ao Orphão do que a parte da Escrava, portanto requer a V. S. mandar juntar estes aos autos a fim de ser atendido a pedido do suplicante, e o mais como já requereu.


Em Franca


01/12/1864 Por V. Sª deferimento


Ferreira


E. R. M.


Quirino Barbosa Sandoval




(FOLHA 28)


AUTO DA PARTILHA


Aos 03/12/1864 neta Cidade da Franca do Imperador em casas do Juiz de Orphãos primeiro suplente Capitão Manoel Cândido onde fui vindo Eu, Escrivão das Partilhas do Juiz Antônio Manoel da Silva e Olinto Gomes de Oliveira ahi por eles com o dito Juiz se Procedeu a partilha pela maneira seguinte: Acharam eles Juiz Partidores se mover os bens moveis na quantia de sete contos e quinhentos e vinte mil e cinquenta reis com que a margem sai.


7.520.50 reis.


Acharam mais somas em oitenta mil reis com que sai.


80.000 reis.


Acharam ser o monte mor a quantia de sete contos, seiscentos e nove mil e cinquenta reis com que sai.


7609.050 reis.


Acharam importassem as dividas passivas, duzentos e cinquenta e seis mil trezentos e quarenta reis que sai.


256.340 reis.


Acharam ficar o monte sete contos trezentos e cinquenta e dois mil setecentos e dez reis com que sai.


7352.710 reis.


Acharam mais que deveria tirar e abater para as custas, cento e cinquenta e dois mil, setecentos e dez reis.


152.710 reis.


(VERSO FOLHA 28)


Acharam mais ser o monte partivel na quantia de sete contos e duzentos mil reis com que sai.


7200.00 reis.


Acharam que por Ter a quantia supra fica sendo cada um de tres contos e seiscentos mil reis com que sai.


3600.000 reis


Acharam que tirando-se a Terça da quantia acima, fica sendo esta de um conto e duzentos mil reis que sai.


1200.000 reis.


Acharam ficasse a legitima dos herdeiros na quantia de dois contos e quatrocentos mil reis com que sai.


2400.000 reis.


Acharam que tirada a decima legatoria fica sendo a Terça, alias ligatória a quantia de cento e vinte mil reis.


120.000 reis.


Liquido da Terça:


Acharam ficar sendo a Terça, hum conto e oitenta mil reis que sai.


1080.000 reis.


Meação: Acharam ser a legitima da inventariante, trez contos e seicentos mil reis.


3600.000 reis.


Acham ficar a legitima com a Terça a quantia de quatro contos seicentos e oitenta mil reis que se sai.


4680.000 reis.


Acharam que a legitimos dos herdeiros importara em dois contos e quatrocentos mil reis com que sai.


2400.000 reis.


Acharam que reunido o meio dote que são tresentos e sete mil e setecentos reis, forma a soma de dois contos setecentos e sete mil, e setecentos reis que a margem sai.


2707.700 reis.


Acharam que repartida a quantia acima por nove herdeiros toca a cada um trezentos mil oitocentos cinquenta e cinco reis que sai.


300.855 reis


(FOLHA 29)


E por esta forma uniram eles o Juiz e Partidores esta partilha perfeita para na conformidade dela se fazerem os respectivos pagamentos observando-se a maior igualdade possivel. De tudo para constar fiz este termo que todos assinam. Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi.


Ferreira


Antonio M. da Silva.


O Pagamento feito a Inventariante para satisfação de sua meação e Terça na quantia de .


4680.000 reis que sai.


Haverá a viuva inventariante para pagamento de sua meação Terça em um oratório, 6.000 reis que sai.


Um taxo grande, 10.750 reis com que sai.


Um taxo pequeno , 4.400 reis.


Uma bacia de cobre 20.400 reis com que sai


Uma foice 2000 réis que sai.


Um machado 2000 réis que sai.


(VERSO FOLHA 29)


Haverá mais uma bigorna, 2000 réis com que a margem sai.


Um martelo e uma turques 1000 réis que sai.


Duas rodas de fiar, 8000 réis que sai.


Um catre , 2000 réis que sai.


Um descaroçador, 1000 réis que sai.


Uma caixa, 4000 réis que sai.


Um carro de um boi, 20.000 réis.


Um boi para o mesmo carro, 30.000 réis com que sai.


Uma vaca parida , 18.000 réis .


Haverá o Escravo Faustino, 1.200.000 réis com que sai.


Haverá na Escrava Gertrudes, por 1.000.000 réis que sai.


Haverá a Escrava Justina . 1000.000 réis que sai.


Haverá a Escrava Claudiana por 1.200.000 réis que sai.


Haverá no Escravo José, 99.145 réis.


Haverá em parte na Escrava Felícia, 49.145 réis que sai.


Haverá na reposição do herdeiro Quirino, 160 réis que sai.


Feito assim este pagamento, acharão eles Juiz e Partidores que as adições todas formam a soma de 4.680.000 réis com que sai.

(FOLHA 30)


E por esta forma haverão eles Juiz e Partidores este pagamento por feito e certo e à Inventariante por pago de sua meação e Terça; e que para constar mandou o Juiz lavrar este termo que assino com os partidores.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi. Ferreira


Antônio M. da Silva




Pagamento feito aos herdeiros Valério Barbosa Sandoval para satisfação de sua legítima como cessionária dos herdeiros Primo Miguel Barbosa Sandoval e Belarmino Fernandes Rocha, tudo na quantia de 902.565 réis com que sai.


Haverá o herdeiro Valério Barbosa Sandoval para seu pagamento em seus dotes pertencentes aos três na quantia de 264.100 réis que sai.


Haverá mais uma Escrava de nome Maria por 700.000 réis que sai.


Feito assim acharam eles, Juiz e Partidores e reunidas as duas adições fazem a soma de 964. 100 réis que sai.


(VERSO FOLHA 30)


Acharam eles Juiz e Partidores que tendo demais este pagamento deve os herdeiros repor a quantia de 61.535 réis que a margem sai.


E por esta forma houveram eles Juiz e Partidores este pagamento por feito certo e concluído ao herdeiro Valério por concluído de que para constar fiz este termo que assina o Juiz e os Partidores.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


Ferreira


Antônio M. da Silva


Pagamento feito ao herdeiro Valério Barbosa Sandoval, para satisfação das custas e dívidas passivas, tudo na quantia de 559.050 réis que sai, digo 529.050 réis com que sai.


Haverá o herdeiro Valério para seu pagamento uma roda a quantia de 4.000 réis com que sai.


(FOLHA 31)


Haverá uma balança de concha e pesos, 12.000 réis que se sai.


Uma Escrava Florença a quantia de 600.000 réis que sai.


Feito assim acharam eles, Juiz e Partidores formar este pagamento, a quantia de 616.050 reis com que sai.


Acharam que tendo mais este pagamento, o herdeiro Valério deve repor a quantia de 86.950 reis com que sai.


E por esta forma haverão eles, Juiz e partidores que alias este pagamento por feito e certo ao mencionado herdeiro por constar fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi. – Ferreira


Antonio M. da Silva


Pagamento feito ao herdeiro Quirino B, Sandoval de sua legitima da quantia de 300.855 reis com que sai.




(VERSO FOLHA 31)


Haverá o herdeiro Quirino Barbosa Sandoval para no pagamento em seu meio dote, 6.000 reis que sai.


Haverá na Escrava de nome Albina, a quantia de 502.145 reis que sai.


Feito assim acharam eles Juiz e Partidores soma tudo na quantia de 508.145 reis que sai.


Acharam eles Juiz e Partidores e que tendo mais este pagamento dizia o herdeiro repor a quantia de 207.290 reis que sai, e por esta forma haverão eles Juiz e Partidores este pagamento por feito e certo, de que para constar fiz este termo que assino.


Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi.


Ferreira


Antonio M. da Silva


Pagamento a herdeira Sabina Selestina da Silva de sua legitima na quantia de 300.855 reis que sai.




(FOLHA 32 )


Haverá a herdeira Sabina Selestina da Silva para seu pagamento em seu meio dote, 37.600 réis que sai.


Haverá mais dezoito oitavas de ouro, 49.400 réis que sai.


Haverá mais umas fivelas de prata, 6.000 réis com que a margem sai.


Haverá mais um taxo ordinário, 9.500 réis que sai.


Haverá mais uma bacia de cobre, 12.600 réis que sai.


Haverá mais uma cômoda, de 12.000 réis com que a margem sai.


Haverá mais uma alavanca 6.000 réis com que a margem sai.


Haverá mais uma mesa grande 8.000 réis com que sai .


Haverá uma mesa pequena 3.000 réis com que sai.


Haverá uma caixa com pés 5,000 réis que sai.


Haverá um banco , 1.000 réis com que sai.


Haverá na reposição do herdeiro Valério, 148.485 réis com que a margem sai.


Haverá finalmente uma reposição do herdeiro Quirino, 2.270 réis que sai.


Feito assim este pagamento


(VERSO FOLHA 32)


acharam eles Juiz e Partidores de todas as adições fazem a soma de 300.855 réis que sai.


E por esta forma haverão eles Juiz e Partidores foi pago a herdeira Sabina, do que para constar fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


Ferreira


Antônio M. da Silva.


Pagamento feito a Lusiano para satisfação de sua legítima da quantia de 300.855 réis com que a margem sai.


Haverá um catre 3.000 réis que sai.


Haverá uma Escrava Albina, 297.855 réis com que sai.


Feito assim acharam o Juiz e Partidores somas 300.855 réis que sai.


E por esta forma haverão eles Juiz e Partidores deste pagamento, por feito, do que para constar


(FOLHA 33 )


mandou o Juiz lavrar este termo que assinam.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


Ferreira


Antônio M. da Silva.


Pagamento feito a Orphã Anna , de sua legítima da quantia de 300.855 réis que sai.


Haverá á Orphã Anna para seu pagamento em parte no Escravo José, a quantia de 300.855 réis com que sai.


E por esta forma haverão eles Juiz e Partidores este pagamento por feito e certo, de que para constar fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi


Ferreira


Antônio M. da Silva


Pagamento feito a Orphã Carlota, da quantia de 300.855 réis que sai.


(VERSO FOLHA 33)


Haverá esta herdeira Orphã Carlota para seu pagamento em parte da Escrava Felícia, a quantia de 300.855 réis que sai.


E por esta forma haverão eles Juiz e Partidores este pagamento por feito e certo; de que para constar fiz este termo que assino.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


Ferreira


Antônio M. da Silva


Pagamento feito ao Orphão Eduardo para satisfação de sua legítima da quantia de 300.855 réis que sai.


Haverá para seu pagamento , uma besta arriada 16.000 réis que sai.


Um pasto cercado de valos , 80.000 réis que sai.


Haverá finalmente na reposição do herdeiro Quirino Barbosa Sandoval , a quantia de 204.855 réis que sai.


(FOLHA 34)


Feito assim este pagamento, acharam eles Juiz e Partidores que todas as adições fazem a soma de 300.855 réis que sai.


E por esta forma haverão eles , Juiz e Partidores este pagamento por feito e certo; do que para constar mandou o Juiz lavrar este termo que assina com os Partidores.


Eu, Manoel J. G. Campos ,o escrevi.


Ferreira


Antônio M. da Silva


CONCLUSÃO


Aos 13/12/1864 nesta cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório faço estes Autos Conclusos ao Juiz de Orphãos, primeiro suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido; de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


(VERSO FOLHA 34)


CONCLUSOS


Vistas aos interessados


Franca, 26/12/1864


Ferreira


PUBLICAÇÃO


Aos 03/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório, faço público o despacho supra; de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


Certifico que intimei a Inventariante, Mechelina Selestina da Silva, Quirino Barbosa Sandoval , Valério Barbosa Sandoval, Sabina Selestina da Silva, Lusiano, o Curador Geral Guido Eugênio Nogueira, Miguel Gomes de Oliveira e ao Coletor Simão Ferreira de Menezes, o conteúdo do despacho supra de que ficarão cientes. Despacho e dou fé.


Franca do Imperador, 05/12/1864.


Manoel J. G. Campos.

 
DÊ VISTA



Aos 03/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório, faço estes autos com vista ao herdeiro Valério Barbosa Sandoval; do que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


(FOLHA 35)


DÊ VISTA AO HERDEIRO VALÉRIO


Por um respondido, e por mais assinado: concordamos com a partilha de folhas e folhas por estarmos satisfeitos.


Franca 03/12/1864


Valério Barbosa Sandoval


Lusiano Barbosa Sandoval


Por mim aí rogo de minha irmã Sabina Selestina da Silva e Quirino Barbosa Sandoval


DATA


Aos 03/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório, me foram entregues estes autos com as respostas supra; do que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


DÊ VISTA


AOS 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório faço estes autos com esta à Inventariante, do que fiz este termo .


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


V.a Inventariante


(VERSO FOLHA 35)


ILMO SR. JUIZ DE ORPHÃOS


Concordo com as partilhas por achá-las boas.


Franca, 05/12/1864


A rogo de minha sogra Mechelina Selestina da Silva


Valério Barbosa Sandoval


DATA


E logo no mesmo dia mês e ano supra me foram entregues outros


autos com a resposta supra, do que fiz este termo.


Eu, Manoel J.G. Campos, o escrevi.


VISTAS


E logo no mesmo ato fiz estes autos com vistas ao Coletor Simão Fernandes Menezes; de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos , o escrevi.


V. ao Coletor

Para pagamento da Fazenda Pública devia-se ter cotado em partilha, bens, e vão fazer-se pagamento ao herdeiro Valério, para este satisfazer a Fazenda Pública, o imposto da décima, pois se o mesmo desejava tirar com os bens cotados para pagamento da mesma podia o fazer eximindo-os dentro de cinco dias concedidos por lei e não pela forma com que notadamente procederão os


(FOLHA 36)


partidores que é notável em tal modo de refazer o pagamento a Fazenda Pública. Desta vez relevo em tal modo de proceder aos partidores, e entender que não o fazerão de má fé, e sim o ignorarem,; que não continuasse a fazer pagamentos a outros em vez de o fazer à Fazenda Pública que é pagamento isso; que não o consentisse mais.


Como o pagamento da décima foi feito ao herdeiro Valério, requeiro que o mesmo dentro dos cinco dias entre para a Coletoria, com o produto dos bens que se lhe dou para pagamento da décima `a Fazenda .


Franca, 05/12/1864


O Coletor


Simão Ferreira de Menezes


DATA


Aos 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador no meu Cartório me foram entregues estes autos com a resposta supra; do que fiz este termo.


Eu, Manoel J G. Campos, o escrevi.


DÊ VISTA

Aos 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório faço estes autos com vistas Curador dos Ausentes, Miguel Gomes de Oliveira, do que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(VERSO FOLHA 36)


VISTAS AO CURADOR DOS AUSENTES


Visto acho estar conforme.


Franca 05/12.1864


Miguel Gomes de Oliveira


DATA


E logo no mesmo ato me foram entregues estes autos com a resposta supra; do que fiz este termo. Eu, Manoel J.G. Campos o escrevi.

 
DE VISTA


E logo no mesmo ato fiz estes autos com vista ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira, do que fiz este termo. Eu, Manoel J. G. Campos o Escrevi.


VISTAS AO CURADOR GERAL


Concordo visto estar legada partilha, Franca 05/12/1864


O Curador Geral


Guido Eugênio Nogueira


DATA


E logo no mesmo dia mês e ano supra declarado em meu cartório foram entregues estes autos com a resposta supra ; de que fiz este termo . Eu Manoel Jorge Gonçalves Campos, o escrevi.


(FOLHA 37)


Vão pagar selo de 21 folhas com dicas que segue. Franca 05 de Dezembro de 1864. G. Campos


Pg. Dois mil e cem réis.


Franca 5 de dezembro de 1864.


Oliveira

CONCLUSOS


Aos cinco de Dezembro de mil oitocentos e sessenta e quatro, nesta cidade da Franca de Imperador em meu Cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orfãos primeiro suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido; do que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G, Campos, o escrevi.


CONCLUSOS


Vistos estes autos julgo por sentença as Partilhas definir e sim por estarem com a igualdade de direito, mais que se cumpra e guarda como nela se contem o Escrivão notifique um parente mais próximo para assinar termo de Tutela dos orpfãos, pague as custas pelos os bens separados pra isso.


Franca, 5/12/1864.


Manoel Ferreira Cândido.


(VERSO FOLHA 37)


Certifico que intimei a Inventariante Mechelina Selestina da Silva, a Valério


Barbosa Sandoval, Lusiano, D Sabina Selestina da Silva, ao Curador Geral Guido Eugênio Nogueira, Miguel Gomes de Oliveira, a Quirino Barbosa Sandoval, ao Coletor Simão Ferreira de Menezes o conteúdo da sentença retro , de que ficou ciente. Despacho e dou fé.


Oliveira


Manoel Jorge Gonçalves Campos.


JUNTADA


Aos 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em meu Cartório junto estes autos a petição que de direito se vê; de que fiz este termo.


Eu, Manoel J. G. Campos, o escrevi.


(FOLHA 38)


ILMO SR. JUIZ MUNICIPAL E ORPHÃOS


Diz Mechelina Selestina da Silva, viuva do finado Justino Barbosa Sandoval, que pretendendo ser Tutora de seus filhos e neto menores; e como se conceda, e pretende se concordar no seu estado de viuva, guardando todo o recato, e honestidade; e que tem suficiente juízo, e discrição para agir, e administrar as pessoas e bens das ditas seus filhos e neto menores: por isso

Se digne admitir a suplicante a assinar a Tutela, e desde já renuncia ao benefício do valliano para se poder obrigar por seus atos como Tutora, julgando ela a suplicante capaz para cujo fim, e quando não julgue, a suplicante ofereço fiador sendo necessário.


E.R.M.


Por Mechelina Selestina da Silva


Ignacio Barbosa Lima


(VERSO FOLHA 38)


TERMO DE RENÚNCIA DO PREVILÉGIO DE VALIANOS QUE ASSINA D. MECHELINA SELESTINA DA SILVA


Aos 05/11/1864, nesta cidade da Franca do Imperador , em casas do Juiz de Orphãos primeiro suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido, onde fui vindo eu escrivão ao diante nomeado, aí compareceu Mechelina Selestina da Silva e por ela foi dito ao dito Juiz que queria ser curadora de seus filhos e netos, orphãos constantes da declaração do títulos dos herdeiros e administrar seus bens e para isso renunciara o privilégio e desistiria do Benefício da Lei e todas os outros direitos e privilégios em favor dos menores, porque sem embargo deles se obriga a cumprir com tudo aquilo que é de obrigação dos tutores guardando toda a fazenda dos ditos orphãos , seus filhos e netos; e de como assim me pedia lhe se este que sendo lido aceito o seo sogro assigna. Valerio Barbosa Sandoval o Juiz . Eu, Manoel J. G. Campos o escrevi.


(FOLHA 39)


Valério Barbosa Sandoval


José Antônio de Lima.




TERMO DE JURAMENTO AO CURADOR A D. MECHELINA SELESTINA DA SILVA


Aos 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador e casas do Juiz de Orphãos primeiro suplente Capitão Manoel Ferreira. Cândido, onde fui vindo com Eserivão ao diante sendo ahi Mechelina Selestina da Silva, o Juiz lhe deferiu o Juramento aos Santos Evangelhos no seu livro deles na forma de vida , debaixo do qual lhe encarregou de em verdade. servir a Curadora de seus filhos Orphãos Lusiano, Anna e Carlota, e o Neto Eduardo. Duvida nas suas pessoas e bens, e fazendo tudo quanto for a beneficio dos mesmos; e pagar por eles tudo alias, e pagar por sua pessoa a tudo quanto deu em comunhão e detrioração por sua omissão recebido por ela a dito juramento e assino e prometo cumprir.


(VERSO FOLHA 39)


E para constar mandou o Juiz lavrar este termo que assina. Valerio Barbosa Sandoval, por ela não saber escrever.


Eu, Manoel J. G Campos, o escrevi.


Ferreira


Valério Barbosa Sandoval.


TERMO DE RECEBIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DOS BENS.


Aos 05/12/1864, nesta cidade da Franca do Imperador em casas do juiz de Orfãos primeiro suplente Capitão Manoel Ferreira Cândido onde fui vindo eu Escrivão ao diante nomeado, aí presente D. Mechelina da Silva, e por ela foi dito ao Juiz que se obrigara a tratar dos orphãos que se achavam em sua companhia ,alimentados e doutrinados e que se achara não possuir todos os seus bens , legítima neste inventário, e prometo administrá-los


(FOLHA 40)


e pô-los na boa guarda, e arrecadação para o que obrigarão sua pessoa e bens a toda e qualquer falta, ao detrioração que aja por sua omissão. E como assim o disse mandou o Juiz lavrar este termo que assina –se , e a rogo da curadora por não saber escrever, o fez Valério Barbosa Sandoval


Eu, Manuel J. G. Campos, o escrevi.


Ferreira


Valério Barbosa Sandoval.


REMESSA


Aos 05/12/1864, nesta c Cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório faço estes alias, faço remessa destes autos ao Contador do Juizo João Vicente de Brito; do que fis este termo. Eu, Manuel J. G. Campos o escrevi.


(FOLHA 41)


CONTA


AO ESCRIVÃO


Autm $ 300


Juram 3$600


Autos – 2 4$000


Fr-todos 12$000


Rasas 3$420


Verba $200


Meia estada 3$000


Intimacões 62$000


Selos 3$900


Tutela 2$000 94$420 R G.Campos




AO JUIZ


Meia est. 5$000


Jur 1$200


Sça. 8$000 14$200




AOS LOUVADOS


Para ambos 32$000 Pg.


Ao Curador Geral 2$000


Ao D. ess lidem 2$000


AOS PARTIDORES


Para ambos 32$000


Ao Contador 3$000


179$620


Orçamento 152$710


Falta 26$910


Para a Meeira 13$455


A 10 herdeiros 13$150


Quebrados 45 000$000


25$910 Britto.


(VERSO FOLHA 41)


JUNTADA


Aos 7/12/1864,nesta Cidade do Imperador em meu Cartório junto a estas custas, a conhecimento no presente; e que fiz este termo.


Eu, Manuel J. G. Campos, o escrevi.


(FOLHA 42)


TABELA DE LEGADOS E HERANÇAS


Ano Financeiro de 1867 Nº 1865


Coletoria da Cidade da Franca


A fl. 31.V do livro de arrecadação de Imposto Provinciaes fica debitado ao atual Coletor pela quantia de cento e oito mil réis que pagou a senhora D.


Mechelina Selestina da Silva de taxa de legados e heranças, correspondente à quantia de 1:200$000 deixada na herança de Justino Barbosa Sandoval, tendo se retraído em juízo os 10 pagamentos , ficando líquido a quantia apensa.


Coletoria da Franca, 07/12/1864


O Coletor O Escrivão


Simão Ferreira de Menezes Miguel Gomes de Oliveira


(FOLHA 43)


QUITAÇÃO QUE DÁ SABINA SELESTINA DA SILVA DA QUANTIA DE 148,485


Aos 13/12/1864, nesta Cidade da Franca do Imperador, em meu Cartório, compareceu ao presente Sabina Selestina da Silva, reconhecida por mim e das testemunhas abaixo assinadas e por ela me foi dito que havia recebido de Valério Barbosa Sandoval, a quantia de 148.485 réis, que ficam obrigado á lhes repor de sua legítima; e porisso dar-lhes plena e igual quitação por haver recebido. E como assim e disse-me pedir-lhe lavrasse este termo que sendo-lhe lido aceito assim não saber escrever a seu rogo assina Francisco Alves Junqueira. De que fiz este termo que todos assinaram.


Eu Manuel J. G. Campos, o escrevi.


Francisco Alves Junqueira


Basílio Ferreira Goulart


José Antônio de Lima


(VERSO FOLHA 43)


DE JUNTADA


Aos 17/ 05 1869; nesta Cidade da Franca, em casa do Dr. Juiz de Direito, junto à estes autos uma petição requerida pela tutora e despachado pelo mesmo Juiz a que diante se vê do que fiz este termo.


Eu, José Pinheiro de Gouveia, o escrivão que escrevi.


(FOLHA 44)


ILMO SR. DR.JUIZ DE DIREITOCORREGEDOR DESTA COMARCA


Pagamentos cem réis – Franca,11/02/1869


Oliveira


Diz Mechelina Selestina da Silva, viuva que com o falecimento de Justino Barbosa Sandoval, e tutora das órphãos Luziano, Anna e Carlota, e Eduardo; que tendo ela suplente sido notificada para no prazo de 24 horas prestar contas da tutela perante V.S.. Portanto, vem a suplicante certificar à V.S., que os Escravos Felícia e José que pertenciam às órphãs, Anna e Carlota, morreram e a orphã Anna acha- se casada, e como era só o que tinham tido em legítima nada mais . E isto a dar conta, e o órphão Luziano está em idade suficiente de tomar conta do que lhe cabe, e por isto se tomou conta do que lhe pertencia, que conta de parte em uma escravinha; e o órphão Eduardo, estando em a cidade de Sorocaba em a ocasião que fez-se o Inventario já era falecido, e como não era aqui sabido, foi contemplado nas partilhas, e como verificou-se sua morte, ficam as herdeiras, a parte que lhe cabe; que constava de um pastinho que ainda existe: e como a suplicante já se acha de renovada de tal tutela por terem morrido as Escravas, e terem –se emancipado outros órphãos; vem a suplicante perante V.S. e requer que tomado o seu Juramento ao pé desta jurando ser verdade o que a lei alega


(VERSO FOLHA 44)


visto que não pude apresentar recibos do marido da órphã Anna porque nada recebeu, e não pode apresentar recibo do órphão Luziano porque não está nesta cidade, e sim, distante que anda em giros de cobrança: e, portanto, tendo a suplicante prestado o juramento seja esta isenta aos autos respectivos, a fim da suplicante ficar descinerada de mais prestação de contas visto que não pode carregar com custas


Para V. S. deferir, a suplicante com a Justiça do costume, não sendo necessário a tomada de contas nos autos que só servirá para anexar a suplicante com grandes custas.


A rogo de d. Mechelina Selestina da Silva e Ignácio Barbosa Lima


(FOLHA 45)


TERMO DE JURAMENTO QUE PRESTA A TUTELA


Ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1869, nesta cidade Franca de Imperador, aos dezessete dias do mês de Maio do Ano digo do dito Ano, em casas do meritíssimo Juiz de Direito Dantas Francisco Lourenço de Freitas. Compareceu presente D. Mechelina Selestina da Silva, e pelo meritíssimo Juiz de Direito lhe foi deferido o juramento nos Santos Evangelhos, em um livro deles em que por sua mão, prometeu ser verdade o que alega em sua satisfação, a que sendo deferido declaram que tudo quanto alega e verdadeira, debaixo do juramento prestado. E para constar, assino a seu rogo Capitão Ignácio Barboza


Lima, comigo escrivão ajudante que escrevi.


Freitas Ignácio Barbosa Lima


DÊ VISTAS AO CURADOR


Em seguida, no mesmo dia mês e ano e lugar faço estes autos com vista ao Curador Geral; do que fiz estes termo.


Eu, José Paulino de Gouveia, escrivão ajudante que escrevi.


(VERSO FOLHA 45)


Em cumprimento ao despacho de V.S. tenho a dizer o seguinte: opino que a peticionária D. Mechelina Selestina da Silva seja examinada da prestação de contas em meação aos orphãos de nome Anna e Carlota; e quanto ao órphão Lusiano, entendo que quando a suplicante tenha ocasião oportuna junto aos autos respectivos a quitação tendo em vista tendo em vista razões alegadas pela suplicante.


Franca, 17/05/1869


O Curador Geral, Antônio José de Moraes.


DATA


Em seguida pelo Curador me foi entregue estes autos com sua resposta. que fiz este termo.


Eu. José Paulino de Gouveia escrivão ajudante que escrevi.




Vou pagar adicto de publicação de papel escritas sujeita adicto


Era int supra


O escrivão Gouveia.


(FOLHA 46)


DE CONCLUSÃO


Aos 17/05/1869, faço estes autos conclusos ao Meritíssimo Juiz de Direito para os julgar como lhe parecer do que fiz este termo.


Eu , José Paulino de Gouveia escrivão ajudante que escrevi.]






A vista da resposta do Curador Geral é apeticionária descriminada da prestação de contas, juntando a quitação de que na mesma se trata, e conclui.


Franca, em conclusão , 18/05/1869.


Francisco L. de Freitas


Ao escrivão


Test. 800


Juramento 600


G. 200 1$600


Ao oficial de Justiça 1$500


Ao Curador Geral 3$000


Ao juiz de Direito


Juramento 200


Sentença 2000


Custas 1000


Sellos 200 3$400






Soma 9$500


Franca, 18 de Maio de 1869.


Ao Curador Geral


(VERSO FOLHA 46)


Vistos estes autos em correição.


Observo não se achar as partilhas assignadas por ambos os partidores, e apenas por um. Irregular foi a nomeação da viuva Mechelina Selestina da Silva para tutora de seus filhos sem que provasse a sua idoniedade com audiência do Curador Geral, reconhecida em sentença, e prestasse a garantia exigida pela lei, correndo por fora do inventário os autos regulares; como ensina a consolidação das leis, cinco, art. 248 e 249, e notas. O Juiz de Orphãos nomeie tutor aos orphãos Carlota e Eduardo, devendo exigir a certidão de obito da escrava Felícia, na qual tenho parte a mesma orphã Carlota, recomendando que sempre se proceda a venda dos bens passíveis recolhendo-se o produto dos cofres públicos. Nos inventários como este nos quais é a Fazenda Provencial interessada quanto ao pagamento da taxa de herança deve ser


Ouvido sempre o Curador no ato da nomeação de ser liadores.


Não foi pago o selo dos quinhões hereditário


Dê-se visto dos autos ao Coletor. Franca, 27 de Março de 1879


Joaquim Augusto Ferreira Alves.

 
(FOLHA 47)


Aos 30/04/1879, nesta Cidade da Franca, em meu cartório faço estes autos conclusos ao Juiz de Orphãos primeiro suplente , Capelão José Nunes Ferreira , os quais foram-me entregues pelo escrivão da correção em 26/do corrente. Eu, Antônio Vicente Monteiro Duarte, escrivão que o escrevi.


Cumpra-se.Franca,2/05/1879.


Nunes Ferreira.

 
DATA



Aos 02/05/1879, nesta Cidade da Franca , em meu Cartório foram-me entregues estes autos com o cumpra-se, do que fiz este termo.


Eu, Antônio Vicente Monteiro Duarte, escrivão o escrevi.
Término do processo".



4) Ana Severina de Jesus , nasceu em 1811 , foi casada em 1837 com Jacinto Antonio Ferreira.


5) Francelina Maria de Jesus , nascida em 1814 , casada , aos 7/10/1827 em Franca , com Lucas Barbosa Sandoval filho de Manoel Barbosa Sandoval e de s/m Brígida Maria de Oliveira.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

Casamentos Igreja Matriz de Franca - Livro 1 - 1806 a 1828


“Aos 7 de outubro de 1827 , com dispensa do segundo grau de consangüinidade em linha transversa concedida aos 14/08 do corrente ano, pelas três horas da tarde Lucas Barbosa Sandoval filho de Manoel Barboza Sandoval e Brígida Maria de Oliveira , com Francelina Maria de Jesus filha do Alferes Caetano Barbosa Sandoval e Thereza Maria de Jesus.
Testemunhas - Capitão Antonio Barbosa Sandoval e Francisco Barbosa Sandoval”.


Do Registro Parochial de Botucatu

No 179 - Lucas Barbosa Sandoval , "Sou senhor e possuidor de um sítio de terras lavradias no lugar chamado Serrado com a seguinte divisa : Principiando na estrada em um sepo que está feito divisa com os orfãos da fallecida Luisa Maria do Espirito Santo , seguindo pelo caminho de Delfino Jose Martins até encontrar com as terras do dito Delfino , dividindo com lado esquerdo com terras do fallecido João Correa seguindo espigão acima em até o alto , dividindo com terras do sobredito Delfino e seguindo espigão abaixo que faz divisa com terras de Sabino Barbosa até o corrego e pelo corrego acima em até as últimas vertentes , dividindo pela esquerda com terra do dito Sabino , seguindo espigão acima , dividindo pela esquerda com terra de João Ventura de Oliveira e os órfãos ditos em té donde teve princípio esta divisa.
Este sítio foi por mim possuido por Posse que fiz no ano de 1.848 e compra que fiz do fallecido Jose Correa como consta do competente título de compra. Botucatu , 24 de março de 1.856.
Lucas Barbosa Sandoval”

6) Maria Thereza de Jesus , nascida em 1816 , foi casada , aos 22/07/1830 , com Felisberto Vieira da Silva , filho de Manoel Vieira da Silva.

7) Manoel Caetano Barbosa , batizado in articulo mortis em 2/06/1819 em Franca em 1819 , faleceu em Franca em 13/10/1821, Foi casado em 12/02/1839 Joana Maria de Jesus , filha de Jose Rodrigues Barros e de s/m Felizarda Maria de Jesus.

“Aos 12 de fevereiro de 1839 , com o impedimento do terceiro grau de consaguinidade mixto, com segundo em linha transversal, dispensado ,pelo vigário Joaquim Martins Rodrigues, em presença do Padre Jose Joaquim Teixeira, se receberão em matrimonio Manoel Caetano Barbosa, filho legitimo do finado Caetano Barbosa Sandoval e Thereza Maria de Jesus, e Joana Maria de Jesus, filha legitima de José Rodrigues Barros e Felizarda Maria de Jesus ambos naturais desta freguesia.
Testemunhas - Fabiano Jacintho Franco e Manoel Meirelles Freire, casados , todos desta freguesia”.

8) Ana Thereza , talvez seja a mesma Ana Severina de Jesus acima indicada no item 4.


Cap. IV – Alferes Francisco Barbosa Sandoval

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.812/13 , caixa 138 :

“Francisco Barboza Sandoval , natural das Geraes , com 25 anos e sua mulher Anna Felisberta com 21 anos e os filhos João de 4 anos , Antonio de 2 anos , informa que plantam para o gasto”.


Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.814 , caixa 139 :

“Francisco Barboza Sandoval , natural das Geraes , com 30 anos e sua mulher Anna Felisberta com 22 anos e os filhos João com 9 ; Joaquim com 5 ; Jose com 3 e Antonio com 7 anos”.

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.824 , caixa 54 :

“Francisco Barbosa Sandoval , das Geraes , e de 31 (?) anos , branco , cazado com Anna Felisberta de 30 anos , branca e com os filhos João de 12 ; Antonio de 10 ; Joaquim de 8 ; Jose de 6 ; Ignacio de 5 ; Justino de 1 ; Francisca de 4 e Anna de 2 anos. Em notas , consta que : plantou ..... alqueires e colheu 16 carros de milho camponês”.

Do Livro de Assentamentos de Gados de Franca , 1825 - 1836 , vol. 58 Cx 11 :

22/06/1829 - Francisco Barboza Sandoval - 10 reses - Ribeirão do Carmo.


Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.831 , caixa 144 :

“Francisco Barboza Sandoval de 43 anos e sua mulher Anna Felisberta com 32 anos e filhos Antonio com 20 ; Joaquim com 17 ; João com 12 ; Ignacio com 14 ; Bernardino com 1 ; Francisca 10 ; Anna 9 ; Maria 5 ; A...gelica 3 anos e vivem da lavoura , indicando ainda lista com treze escravos”.

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.835/36 , fogo 9 :

“Francisco Barboza Sandoval , com 50 anos , branco , das Geraes , com espécie de estabelecimento de fábrica de ..... (ilegível) , e sua mulher Anna com 42 anos , branca , das Geraes e com os filhos Joaquim com 19 ; Joze de 15 ; Ignacio de 14 ; Bernardino de 6 ; Elias de 4 ; Bernardo de 1 ; Francisca de 13 ; Anna de 12 ; Maria de 9 e Angelica de 7 anos , todos filhos brancos e naturais de SP (Estado de São Paulo) , constando ainda lista com 12 escravos”.

Do Arquivo Público de SP , Censo de Franca do ano de 1.846 :

“Francisco Barboza Sandoval com 59 anos , branco , lavrador , com sua mulher Anna Felisberta com 55 anos , branca e mais os filhos Bernardino de 15 ; Elias com 13 ; Desiderio com 11 ; e Jose com 9 anos , todos brancos e solteiros”.

Do Arquivo Público do Est. de São Paulo , microfilme de Registros de Terras RT10 , da região de Franca , SP , sob o registro de número 426 :

“Francisco Barboza Sandoval abaixo assignado possue nove partes de terras no Districto do Carmo , Termo desta Villa , seis partes na Fazenda denominada Pouso Alto e todas reunidas são a quantia de Reis cento e vinte e dous mil e um , assim mais duas partes na Fazenda do Retiro da Matta da quantia de oitenta e sete mil reis , as duas reunidas , e outra na Fazenda do Capivary da quantia de sessenta mil reis , e todas estas partes compradas aos herdeiras das ditas fazendas , e as compras são de doze annos para cá , tudo por escriptura particular , e existem todas em commum , e só a parte do Capivary he dividida com os mais donos da mesma forma.
Franca 20 de Junho de 1.856.

Francisco Barboza Sandoval.

Forão-me apresentados dous papeis de registros do mesmo theor , e achando-os conforme registrei.

Cidade de Franca 21 de junho de 1.856.

O Vigario joaquim Ferreira Telles".

Da mesma fonte e microfilme acima , registro número 427 :

“Francisco Barboza Sandoval abaixo assignado na qualidade de tutor dos orphaons do finado Jose Nunes estes seus netos possuem huma sorte de terras e campos e culturas na fazenda do Capivary districto do Carmo termo desta Villa , cujas terras são compradas ao Capitão Jose de Barcellos a seis annos mais ou menos , e as ditas estão em commum com os mais herdeiros da dita fazenda.
Franca 20 de Junho de 1.856.
Francisco Barboza Sandoval.
Forão-me apresentados dous papeis de registros do mesmo theor , e achando-os conforme registrei.
Cidade da Franca 21 de Junho de 1.856.
O Vigario Joaquim Ferreira Telles”.


Uma tentativa de reconstituição de famílias escravas. Franca ,SP - Século XIX.
(Por Maísa Faleiros da Cunha, Unicamp)

“A fim de ampliar o conhecimento sobre este tema, nosso estudo focaliza a população escrava em um município no norte paulista (Franca) que se caracteriza por apresentar uma economia voltada para o abastecimento interno em um momento de expansão da agricultura de exportação na Província de São Paulo (século XIX). Procuramos destacar as possibilidades para a reconstituição de famílias escravas a partir de duas fontes documentais: a Lista Nominativa de Habitantes de 1835-1836 e os registros paroquiais (de batismo e casamento relativos a escravos). Ao realizarmos o cruzamento dos registros de batismo ocorridos próximo à data da Lista Nominativa de Habitantes (1835) encontramos o fogo de Francisco Barboza Sandoval, que levou ao batismo Raimundo, Reinaldo, Roza filhos de um casal de escravos de sua posse. De acordo com a Lista Nominativa, este senhor era proprietário de 12 escravos, dentre eles Francisco e Eufrazia, pais dos três escravinhos. Esta família escrava estava presente no fogo de Francisco Sandoval, mas não houve qualquer menção ao parentesco destes cativos por parte do recenseador. Esperamos apresentar um quadro mais claro sobre a família escrava em um contexto econômico ainda pouco analisado pela historiografia”.

Francisco Barbosa Sandoval e s/m Ana Felisberta (ou Felizarda) deixaram os filhos :

1) João Barbosa Sandoval , nascido por 1805 , falecido em Franca , SP por 1867. Foi casado , em 01/09/1828 em Franca com Custódia Maria de Jesus , nascida em 1812 e falecida por 1862 em Franca , SP.
2) Antonio Barbosa Lima , nascido em Franca em 1811 , falecido na mesma cidade em 11/01/1888. Foi casado , aos 19/02/1833 , com Cândida Rosa da Silva , natural de Franca , nascida em 1821 , filha do Cap. Antonio Barbosa Sandoval e de s/m Ignez Maria Michelina da Silva.

3) Joaquim Barbosa Sandoval , nascido a 6/12/1814 em Franca , já falecido antes de 1833 , foi cc Helena Maria de Jesus , falecida em Franca aos 28/10/1833.

4) Jose Barbosa Lima , nascido em Franca por 1815 , casado , aos 22/04/1844 , em Franca com Francelina Felisbina da Silva , filha de Joaquim Garcia de Andrade e de s/m Quirina Barbosa da Silva , neta materna do Cap. Antonio Barbosa Sandoval e de s/m Ignez Maria Michelina da Silva.

"Aos 22 de abril de 1844 nesta matriz de Franca, feitas as admoestações canonicas . . . com impedimento do terceiro grau de consaguinidade , mixto com o segundo na linha transversal e dispensados do mesmo pelo vigário da Vara respectiva , e com provisão do mesmo em minha presença se receberam em matrimônio José Barbosa Lima , filho de Francisco Barbosa Sandoval e Ana Felisberta de Jesus , e Francelina Felisbina da Silva , filha de Joaquim Garcia Andrade e Quirina Barbosa da Silva, ambos nascidos e batizados, residentes nesta freguesia e lhes conferi bençãos nupciais na forma do Ritual Romano, sendo testemunhas , Antonio Barbosa Lima e Desiderio Barbosa Sandoval casados , todos desta freguesia".


5) Joana Barbosa Sandoval , nascida em Franca em 1818.

6) Ignácio Barbosa Lima , batizado em Franca a 02/05/1819 , com 22 dias. Foi casado em 26/06/1840 com Hipólita Soares de Lima Guimarães. Houve outros casamentos.

7) Desidério Barbosa Sandoval , nascido em Franca em 1835.

8) Francisca Romana , nascida a 16/03/1821 , casada a 30/6/1836 com Jose Nunes da Silva

9) Ana Barbosa Sandoval , nascida em Franca em 1823 , casada a 24/11/1840 com João Izidoro de Queiroz.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"16 fevereiro 1823, Padre Gregório Quintana, batizou a Anna de oito dias, filha de Francisco Barbosa Sandoval e de Ana Felisberta de Jesus- Padrinhos Joaquim Mariano de Jesus e sua mulher Ana Joaquina de Jesus".


10) Justino Barbosa Sandoval , nascido em Franca a 9/12/1824.

"9 de janeiro 1825 , Justino de um mês, filho de Francisco Barbosa Sandoval e Ana Felisberta de Jesus.
Padrinhos – Alferes Thomaz Carlos de Souza e Alexandra Maria de Jesus".

11) Maria Barbosa Sandoval , nascida em Franca a 20/06/1826.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"30 julho 1826 , Maria de 40 dias , filha de Francisco Barbosa Sandoval e Ana Felizarda de Jesus".


12) Angélica Barbosa Sandoval , nascida em Franca a 24/07/1828.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"24 agosto 1828 , Angélica , de 30 dias, filha de Francisco Barbosa Sandoval e de Ana Felisberta de Jesus".

13) Bernardino Barbosa Sandoval , batizado em Franca a 11/06/1830.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"11 julho 1830 , Bernardino de 18 dias filho de Francisco Barbosa Sandoval e Ana Felisberta de Jesus".

14) Elias Barbosa Lima

15) Bernardo Barbosa Sandoval


Cap. V – Cap. Antonio Barbosa Sandoval

Dos registros eclesiáticos de Mariana , Livro de Casamentos em Itatiaia , Minas Gerais , página 79 verso :

“Aos quinze de Janeiro de mil oito centos e seis pelas onze horas do dia nesta Matriz de Santo Antonio da Itatiaia [de Minas Gerais] assisti ao Matrimonio que solemnemente celebraram Antonio Barboza Sandovalle filho legitimo de Joaquim Barboza Sam do Valle e de Elena Maria de Jesus nascido e batizado na Capella de Nossa Senhora do Rozario filial da freguezia de Santa Luzia e dona Ignes Maria Michilina da Silva filha legitima do capitam Manoel da Costa Silva e de dona Thereza de Jesus , digo , e de dona Marianna Thereza de Jesus natural e baptizada nesta freguezia de Santo Antonio da Itatiaia mostrando-se habilitados pelo Reverendo Doutor Vigario da Vara Jose Alves Ferreira Cabral e foram denunciados nesta freguezia as canonicas vezes e sem impedimento em presença das testemunhas os Reverendos padres Manoel Alves de Carvalho e João Manoel de Araujo e outros muitos feitas as cerimonias que determina o Concilio Tridentino com ....... e o ritual Romano e logo lhes dei as bençãos nupciais e para constar fiz este assento Itatiaia dia mes e ora ut supra.
O Vigario Jose Ferr.a da Cunha”.
(Sic)

Livro de Assentamentos de Gados de Franca , 1825 - 1836 , vol. 58 Cx 11 :

17/05/1829 - Capitão Antonio Barboza Sandoval - 80 reses - Fazenda do Bebedor

Do Arquivo Pub. do Est. de SP , filme 01052 lata 54 e índice 0047 , lista dos moradores da Vila de Franca do Imperador do ano de 1830 , fogo 86 :

“Capitão Antonio Barboza , das Geraes , lavrador com 46 anos e sua mulher Ignes Michelina das Geraes , com 30 anos e filhos , Desiderio , das Geraes com 22 anos ; Antonio , natural do Est de SP com 18 anos ; Francisco , natural do Est de SP e com 14 anos ; Candida , natural do Est de SP e com 9 anos ; Maria natural do Est de SP com 7 anos ; Carlota , natural do Est de SP com 4 anos e Domitila do Est de SP com 1 ano”.


Do Arq. Pub. do Est. de SP , maços de população de M. Mirim do ano de 1831 , caixa 144 :

“Antonio Barboza Sandoval com 46 anos e sua mulher ..... Michelina com 40 anos e mais Desiderio com 22 ; Francisco 11 ; Antonio 12 ; Candida 10 ; Maria 8 ; Carlota 6 e Flausino com 1 ano”.

Do Arq. Pub. do Est. de SP , filme 01052 , lata 54 , índice 0047 , fogo 19 , da lista dos moradores de Franca do Imperador de 1835/36 :

“Antonio Barboza Sandoval com 56 anos , branco , das Geraes , lavrador e sua mulher Ignez Michelina de 42 anos , branca e das Geraes , mais os filhos : Francisco de 20 anos , branco , solteiro e das Geraes ; Flausino , natural do Est de SP , branco e com 5 anos ; Bello Armino de 4 anos , natural do Est de SP ; Maria com 15 anos , branca e das Geraes e Carlota de 11 anos , branca e das Geraes , e mais lista de 44 escravos africanos e crioulos”.

Certidão de óbito da Cúria Diocesana de Sorocaba :

Certifico , para fins civis , que revendo os Registros de Óbitos da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Ponte de Sorocaba , arquivados nesta Cúria Diocesana , encontrei no livro do ano de 1.848 às folhas 7 , um assentamento do seguinte teor :
"Capitão Antonio Barbosa Sandoval , cazado.
Aos vinte e hum de Maio de mil e oitocentos e quarenta e oito nesta cidade falleceu apressadamente por isso sem sacramentos , o Capitão Antonio Barboza Sandoval de idade ao que parece sessenta e dous annos , natural de Minas cazado com D.Ignes Miquelina da Silva ; sua alma foi sufragada com Missas de corpo presente por todos os sacerdotes presentes e seu corpo amortalhado em hábito de São Francisco , e em decente ataude foi recommendado e acompanhado com assistencia do Pároco e de todos os Padres prezentes na noite do dia seguinte até a Igreja de Santo Antonio da Misericordia , onde jaz sepultado de que fiz este assento.
O Vigario Jose Francisco de Mendonça”.
E nada mais continha no referido assentamento ao qual fielmente me reporto.
Ita in Fide.
Sorocaba 22 de Janeiro de 1.982
Mons. Sérvulo de Madureira - Arquivista.


Do Cartório de Registro de Imóveis e Anexos Comarca de Iguape, Estado de São Paulo

“Eu, Clovis Cardoso, Escrivão do Registro de Imóveis e Anexos desta Comarca de Iguape, Estado de São Paulo, Etc.
Certifico a pedido verbal de parte interessada que, revendo os livros deste cartório a meu cargo, deles de número 3-AA de transcrição das transmissões, as fls. 01, em data de 15 de maio de 1934, consta a transmissão sob número 1.114 , pelo qual D. Ignes Miquelina da Silva, Dona Quirina Barbosa, Desiderio Barbosa Sandoval, Justino Barbosa Sandoval, D. Cândida Barbosa Lima, D. Carlota Barbosa de Souza Cruz, Eufrozino Barbosa Sandoval, Belarmino Barbosa Sandoval, adquiriram de Antonio Barbosa Sandoval, pelo preço de 1:400$000(meeira) 1:400$000, e conforme certidão de Inventário (Herança Partilha), passada pelo escrivão de orphaons de Sorocaba, Jeronymo Mamede de Abreu Seleta em 30 de maio de 1873. – “legua e meia de terrenos que principiam na Cachoeira do Ribeirão do Travessão, para os lados de estrada de Ribeira”. - CERTIFICO : mais que sobre a parte pertencente a Ignez Miquelina da Silva e Justino Barbosa Sandoval, não pesam ônus ou hipoteca ainda mesmo legais, nem consta sua alienação. O referido é verdade e dou fé.
Iguape, vinte e seis de setembro de mil novecentos e oitenta e um”.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

“22 março 1873 faleceu Ignez Cândida Sandoval , 50 anos, viúva de Antonio Barbosa Sandoval”.
(Ignez Cândida Sandoval ou Ignez Maria Michelina da Silva nasceu por 1790 , pois casou-se em 15/01/1806 , já teria 83 anos em 1873 e não 50 como informado neste registro de óbito).


Filhos do cap. Antonio Barbosa Sandoval e de s/m Ignez Maria Michelina da Silva :


1) Desidério Barbosa Sandoval , nascido por 1808 em Minas Gerais , falecido em 30/09/1856. Foi casado com Ana Carolina de Abreu Bolina , filha de João Francisco Bolina e de s/m Mariana Claudina de Abreu Lima. Ana Carolina faleceu aos 17/08/1875 em Sorocaba , SP.

Da Genealogia Paulistana , de Silva Leme , (Volume IV - Pág. 311 a 345) , Título Hortas , com a devida correção (onde se lê Silva do Val , leia-se Sandoval).

“Aos trinta dias de setembro de mil oitocentos e cinqüenta e seis, no bairro de “Nhumbiri” faleceu Desiderio Barboza Sandoval de quarenta e seis anos , casado com D. Maria de Abreu Bulina , acompanhado pelo Reverendo Parocho mais dois sacerdotes e da Irmandade das Dores , recomendado e sepultado em habito preto e caixão no jazigo da referida Irmandade do que mandei fazer este assento. O Vigário Manoel Joaquim Barboza”.


2) Antonio Barbosa Sandoval , nascido em Franca por 1812.

As informações deste Antonio confundem-se com seu primo homônimo , necessárias maiores pesquisas.

3) Michelina Celestina da Silva , batizada em Franca , SP , aos 29/10/1815 , foram padrinhos Caetano Barbosa Sandoval , casado e Rita Maria Martins, casada. Foi casada , aos 16/10/1828 em Franca , SP , com seu primo Justino Barbosa Sandoval , filho do Alferes Caetano Barbosa Sandoval e de s/m Thereza Maria de Jesus.


4) Quirina Barbosa da Silva , nascida por 1815 , talvez casada com Joaquim Garcia de Andrade.

Do Arquivo Municipal Capitão Antonio Hipólito PinheiroAv Champagnat, 1808 - Franca , SP :

Joaquim Garcia Andrade;1855;Guerina Barbosa Silva;2294
(interessante ver este inventário em Franca)

5) Francisco Barbosa Sandoval , nascido por 1816.

6) Cândida Rosa da Silva , nascida em Franca em 1821 e falecida aos 8/06/1901 em Franca. Foi casada , aos 19/02/1833 , em Franca , com seu primo Cel. Antonio Barbosa Lima , filho do Alferes Francisco Barbosa Sandoval e de s/m Ana Felizarda.

7) Maria Flauzina (ou Eufrozina) da Silva , nascida em Dores do Aterrado (atual Ibiraci , MG) , batizada no Jacuí , MG , em 1/7/1822. Foi casada , aos 10/01/1837 , com Silvestre Gonçales dos Santos Cruz , natural de Cuiabá , MT.

Dos registros de Jacuí , MG :

“Em 1o de janeiro de 1822, batizei e pus os santos óleos a Maria , filha do Capitão Antonio Barbosa Sandoval e dona Ignez Michelina de Jesus, moradores de Aterrado. Foi padrinho o Alferes Joaquim Vieira Fernandes”.

8) Carlota Barbosa Sandoval , nascida em 1824 , foi cc Silvestre Gonçalves dos Santos Cruz.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

“18 janeiro de 1824 – Carlota de quinze dias, filha do Capitão Antonio Barbosa Sandoval e de dona Ignez Michelina da Silva. Foram padrinhos Antonio Joaquim da Silva e sua mulher dona Josefa Santos da Assumpção".

“Em primeiro de novembro de 1838, nesta matriz ... com o impedimento de primeiro grau de afinidade por copula licita em linha transversal dispensado pelo Reverendo Vigario da Vara Joaquim Martins Rodrigues, ... se receberão em matrimônio Silvestre Gonçalves dos Santos Cruz , viúvo por obito de Maria Eufrozina da Silva , e Carlota Flausina da Silva natural desta freguesia filha legitima de Antonio Barbosa Sandoval e de Ignes Miguelina da Silva ... testemunhas Manoel Barbosa Sandoval e Justino Barbosa Sandoval, casados desta freguesia”.

9) Metildes ou Domitila Barbosa Sandoval , nascida em 1827.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

"4 junho 1827 - Metildes de 15 dias , filha do Capitão Antonio Barbosa Sandoval e dona Ignes Michelina da Silva".

“29 de setembro de 1828, faleceu Domitila de 1 ano e meio, filha do Capitão Antonio Barbosa Sandoval e de Dona Ignes Miguelina da Silva”.
(Esta Domitila é a Metildes que nasceu em 4/7/1827).
(Domitila consta nos censos de 1830 ...talvez por engano ou erro na data do censo)

10) Flauzino ou Eufrozino Barbosa Sandoval , nascido em Franca , SP , aos 10/11/1830 , falecido em 4/5/1902. Foi casado pela primeira vez em Sorocaba , SP , aos 3/01/1850 , com Maria Cândida de Jesus , natural de Sorocaba , filha de Antonio (Francisco) Martins de Oliveira e de s/m Cândida Maria da Conceição , deste matrimônio deixaram 12 filhos.
De seu segundo matrimônio com Maria Rita de Jesus aos 23/07/1877 em Franca , SP , não houve filhos.
De seu terceiro matrimônio , em 01/05/1879 em Franca , SP , com Maria Victalina da Conceição , filha de Jerônimo (Fortunato) Jose de Miranda e de s/m Rita Jose de Andrade , deixaram 13 filhos.

11) Belarmino Barbosa Sandoval , nascido em 18/01/1833 em Franca , SP , falecido por 1871. Foi casado em 10/08/1852 em Sorocaba , SP , com Maria (Francisca) Moreira Jardim , filha de Francisco Moreira Jardim e de s/m Amália Maria de Jesus.

Dos registros eclesiásticos de Franca :

“28 janeiro 1833, Belarmino de dez dias , filho de Antonio Barbosa Sandoval e Ignez Michelina da Silva.
Padrinhos – Desiderio Barbosa Sandoval e sua mulher Ana Carolina de Abreu Bolina”.

Segundo o livro de Marina Sandoval , Belarmino casou-se com a mesma Francisca Moreira Jardim , porém indica outros filhos : Francisco , Ricardo , João , Maria e Antonio.
Aqui , há algum engano de informações , ou ainda , pode ser que alguns filhos tenham nascido em Sorocaba e outros em Franca. Ou ainda , pode ser que Maria Moreira Jardim e Francisca Moreira Jardim fossem irmãs , e o livro de Marina Sandoval tenha indicado os filhos de apenas uma delas.

Dos registros de Sorocaba :

“10 agosto 1852 , Belarmino Barbosa Sandoval filho do finado Capitão Antonio Barbosa Sandoval e D. Ines Miquelina da Silva, com Francisca Moreira Jardim , filha de Francisco Moreira Jardim e D. Amália Maria de Jesus”.

Do Arquivo Municipal Capitão Antonio Hipólito Pinheiro , Av Champagnat, 1808 , Franca , SP :

“Belarmino Barbosa Sandoval ; 1871 ; Francisca Moreira Jardim ; 879”

(Em construção)

Colaboradores

Ademildes Maria Barbosa
..Maria Heloisa Rocha Ferreira
....Marina Sandoval
......Nanci Romero
........Sílvia Buttros

















Nenhum comentário:

Postar um comentário